É a segunda vez que a comissária está no Web Summit e hoje alinhou os vários tópicos em que a Comissão Europeia tem em cima da mesa na área da Justiça, da cibersegurança e privacidade, com os temas da regulação da inteligência artificial, dos whistleblowers, e do direito de autor pelo meio.

Na sua intervenção inicial Vera Jourová afirmou que é sempre fascinantes ver todas as oportunidades da tecnologia no Web Summit, sobretudo "no caso em que serve as pessoas e não vice versa", mas há muitos desafios a serem resolvidos. O discurso de ódio e as fake news, ou desinformação são um dos temas que a comissária tem vindo a acompanhar e que vai manter na sua alçada na nova comissão, sublinhando que “o conteúdo ilegal, que é proibido offline, deve ser proibido online”.

“Não quero criar um sistema de censura nem ser a 'comissária da verdade'" afirmou a comissária, defendendo que é preciso regular e aprender com o passado, e admitindo que a autorregulação não é suficiente.

Questionada pelo SAPO TEK sobre a proteção dos whistleblowers, ou denunciantes, como Edward Snowden que falou no início do Web Summit e tambémd e Rui Pinto, que está detido em Portugal, a comissária lembrou que foi aprovada em junho uma diretiva que pretende garantir mais proteção a quem denuncia situações ilegais.

Especificamente sobre os Football Leaks, e os Panama Papers, ou o caso de Edward Snowden e a denúncia da vigilância da NSA, a comissária afirmou que a comissão está a acompanhar estes temas. "As pessoas corajosas que denunciam estes escândalos não têm suficiente proteção [...] devem ter um apoio mais fiável, proteção legal", admite, dizendo que o objetivo não é proteger os denunciantes em si pela denúncia, mas permitir um canal protegido para denunciantes. Estas plataformas devem ser criadas pelos Estados, mas sem não funcionarem deve haver a possibilidade de denunciar publicamente.

Regular a inteligência artificial

A comissária falou também sobre as iniciativas da Comissão Europeia para regular a inteligência artificial, referindo que tem de haver regras específicas e que há uma meta interna para ter a regulamentação pronta. Mas que há uma coisa certa, tem de haver condicionalismos à utilização de algoritmos que devem ser sempre geridos por pessoas e não vice versa. "Queremos transparência", afirmou, lembrando porém que está atenta às regras da proporcionalidade, e que só será feita a legislação necessária, não impedindo o desenvolvimento da investigação e da inovação, nem limitando os investimentos, sejam eles europeus ou de fora da Europa.

E num mundo cada vez mais globalizado, como é que a Comissária protege os seus dados? "Como protejo a minha privacidade? Bem, não estou no Facebook" explicou Vera Jourová, contando também um pouco sobre o seu passado na República Checa, onde nasceu, afirmando que muitos checos são relaxados com estas questões da privacidade mas que ela ainda se recorda de viver num regime totalitário.

O Web Summit visto pelo SAPO TEK

O SAPO TEK está a acompanhar o Web Summit e para além das notícias de antecipação, nos próximos dias vai trazer os temas e as tendências mais relevantes. Encontramo-nos pelo Web Summit ou Night Summit?

Veja ainda a galeria de imagens que vamos recolhendo no nosso Diário do Web Summit.

Nota da Redação: a notícia foi atualizada depois da conferência de imprensa. última atualização 15h15.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.