Os responsáveis do Instagram já reagiram aos protestos dos utilizadores relativamente à nova política de utilização e privacidade, dizendo que os termos vão ser corrigidos para simplificar algumas questões que parecem ter sido mal interpretadas.

"Ouvimos em alto e bom som que muitos utilizadores estão confusos e chateados com o significado das mudanças", escreveu um dos cofundadores do Instagram, Kevin Systrom.

O mesmo responsável da app de edição e partilha de imagens referiu que o Instagram está atento às opiniões dos utilizadores e que vão ser modificadas "partes específicas dos novos termos" para que sejam mais percetíveis.

Apesar de referir que era falsa a intenção de vender as fotos dos utilizadores sem nenhuma compensação, ficou também explicito de que o Instagram é um negócio e como tal as publicidades são um método de gerar receitas. "Gostaríamos de experimentar anúncios inovadores que sejam mais apropriados ao serviço", escreveu Kevin Systrom.

A ideia de publicidade no Instagram deve funcionar como no Facebook, onde as ações dos utilizadores são usados criar anúncios direcionados.

O Instagram também não pretende ficar com os direitos das imagens carregadas, ao contrário do que ontem parecia estar explícito nos termos anunciados.

O recuo, mais do que esperado, dos responsáveis do Instagram ainda levanta algumas questões. Será preciso esperar pela redação final dos novos termos de utilização e privacidade para saber qual o destino reservado às imagens e textos produzidos pelos mais de cem milhões de utilizadores da aplicação.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.