O IOL cancelou a sua oferta especial para estudantes no âmbito do programa e-U Campus Virtuais. A decisão foi tomada e posta em prática há já algumas semanas e teve por base o facto de "o produto ADSL de que dispomos não ser rentável para que possamos criar ofertas especiais", explicou ao TeK o director-geral da Media Capital Telecomunicações, Manuel Castelo-Branco.



O responsável garante que esta foi uma decisão difícil e que a Media Capital apoia as iniciativas promovidas pela UMIC, no âmbito da Sociedade da Informação. Contudo, "qualquer oferta especial que mantivéssemos para os estudantes contribuiria para tornar o negócio ainda mais deficitário", explica.



Também o Clix emitiu ontem um comunicado dando conta de uma decisão semelhante. O ISP da SonaeCom justificou a sua decisão de cancelamento do serviço "com as condições em que os operadores alternativos podem proceder à comercialização das ofertas retalhistas de ADSL em Portugal", que considera insustentáveis.



Mais uma vez, a SonaeCom argumenta que "o modelo grossista não permite tornar o produto (retalhista) rentável", fazendo ainda referência às "práticas predatórias pelas empresas do Grupo PT, que impede a existência de condições de concorrência saudáveis".



O Clix e o IOL dispunham de ofertas diferenciadas para estudantes, quer ao nível do preço, quer ao nível dos limites de tráfego permitidos, quando a generalidade dos ISP optou por manter os preços praticados no mercado, diferenciando-se apenas nos limites de tráfego. A PT, por exemplo, quer no cabo quer no ADSL, optou por um modelo deste tipo, ao qual os estudantes teriam acesso mediante um contrato de fidelização de um ano. Além do tráfego, a PT oferece cinco mensalidades gratuitas, a que o estudante terá acesso caso mantenha o serviço durante cinco anos, já que apenas poderá beneficiar de uma mensalidade gratuita em cada ano.



Manuel Castelo Branco reconhece que a oferta do IOL teve boa aceitação por parte dos estudantes e garante que 10 por cento dos seus clientes ADSL chegaram por esta via, mas mesmo assim foi impossível manter a oferta, garante.



No caso do Clix a empresa explica que estando neste momento a repensar a sua continuação no mercado de ADSL, torna-se necessário reduzir ao mínimo os custos com as ofertas que temos actualmente no mercado.
Entre os ISP aderentes ao e-U (um projecto que envolve 64 entidades do ensono superior) estão também a ONI, a Cabovisão, a ViaNetworks e a TvTel.



Notícias Relacionadas:

2003-10-13 - Serviço de banda larga do Clix poderá ser suspenso

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.