Apesar de pertencerem a um mercado moderno e dinâmico, que ainda merece muita atenção por parte de investidores e entusiastas, a grande maioria das criptomoedas não está a atravessar uma fase positiva. Ao longo dos últimos 18 meses, centenas de novas moedas surgiram online mas, de acordo com o CoinSchedule, o estoirar da bolha provocou o desaparecimento de quase 800, que valem agora menos de um cêntimo de dólar.

Investigação sugere que manipulação de preços levou à valorização abrupta da Bitcoin
Investigação sugere que manipulação de preços levou à valorização abrupta da Bitcoin
Ver artigo

Novas criptomoedas podem ser facilmente lançadas online através de uma oferta inicial, que abre a moeda aos investidores. O processo mais comum, utilizado por startups, consiste no lançamento de uma moeda privada que pode depois ser utilizada na aquisição de produtos vendidos por essa mesma empresa. Os investimentos feitos na moeda dão-se, regra geral, porque a moeda é barata e pode oferecer um retorno substancial no futuro, criando-se assim um mercado altamente especulativo.

As empresas envolvidas neste mercado angariaram cerca de 3,8 mil milhões de dólares através de ofertas iniciais de moeda em 2017, mas este indicador já ultrapassou os 11,9 mil milhões de dólares apenas durante os seis meses que decorreram em 2018.

A plataforma CoinSchedule, que analisa o sector das criptomoedas, explica ainda que muitos destes projetos estão agora "mortos" uma vez que se tratavam de fraudes ou de moedas criadas por empresas sem produtos ainda materializados. No site Dead Coins, que lista as criptomoedas falhadas, contam-se mais de 800 projetos.

A Bitcoin, que continua a ser a maior criptomoeda do mercado, também teve um ano difícil. O valor da moeda caiu cerca de 70% desde que a mesma atingiu uma valorização recorde de 20 mil dólares em 2017.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.