Mozilla deixa de anunciar no Facebook, mas pode ser apenas a primeira de muitas

Este artigo tem mais de um ano
A Sociedade Britânica de Publicitários vai reunir-se com o Facebook de forma a poder esclarecer os seus membros acerca de potenciais consequências que derivem do caso Cambridge Analytica. Unilever e P&G fazem parte do lote de 3.000 marcas associadas a esta organização.
Mozilla deixa de anunciar no Facebook, mas pode ser apenas a primeira de muitas
Tek

A recente crise de imagem que está a afetar o Facebook, por culpa do caso Cambridge Analytica, tem potencial para impactar fortemente as ambições da plataforma social em várias frentes. Uma delas é a financeira.

Esta semana, a Mozilla anunciou a retirada dos seus anúncios da rede social, comunicando, num post feito no seu blog oficial, que a recente polémica levou a empresa a analisar "em profundidade a política de privacidade do Facebook, uma vez que este também está a ser sustentado com os dólares da publicidade" da organização. "Apesar de acreditarmos que ainda existem muitos pormenores por revelar, descobrimos que as definições de privacidade padrão dão livre acesso a muitos dos dados dos utilizadores - particularmente no que diz respeito a aplicações externas", conclui, justificando assim a sua decisão.

Facebook “desconfiado” de funcionários em mega fuga de dados de 50 milhões de perfis
Facebook “desconfiado” de funcionários em mega fuga de dados de 50 milhões de perfis
Ver artigo

Apesar de a Mozilla ser a primeira grande empresa a tomar medidas desta natureza, muitas outras estão neste momento a considerar seguir o mesmo caminho. De acordo com o The Times, a Sociedade de Publicitários Britânicos (ISBA) abordou a rede social para esclarecer algumas dúvidas relativas ao caso Cambridge Analytica e a publicação apurou que ambas as partes têm já um encontro agendado para esta sexta-feira.

"Assim que nos encontrarmos com o Facebook, vamos querer entender o alcance do inquérito que Mark Zuckerberg anunciou esta quarta-feira", adiantou Phil Smith, diretor geral da ISBA, em declarações ao Independent. "Queremos poder dar garantias aos nossos membros de que este inquérito vai chegar à raiz dos problemas e queremos esclarecê-los acerca das implicações que o processo vai ter para o público e para as empresas que pagam por publicidade". Esta reunião deverá ser de extrema importância para a rede social, uma vez que a organização britânica representa mais de 3.000 marcas, como é o caso das gigantes Unilever e Procter and Gamble, que investem milhões em publicidade digital que é diariamente exibida através deste website.

As acusações que estão a ser endereçadas ao Facebook "levantam questões sobre a possibilidade de os dados recolhidos pelo Facebook estarem a ser utilizados de forma imprópria. A ISBA vai questionar o Facebook sobre potenciais consequências para que as empresas publicitárias possam tomar as medidas apropriadas". Em adição, e segundo o Independent, uma das maiores agências de publicidade do Reino Unido já confirmou que as empresas podem começar a tirar o dinheiro da publicidade do Facebook se a empresa não conseguir reconquistar a confiança dos seus utilizadores no que à segurança dos dados diz respeito.

Quanto à Mozilla, o retorno só se verificará quando "o Facebook implementar medidas de segurança mais rígidas para a partilha de dados dos seus utilizadores".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Veja também

 
 

Comentários

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.