O Napster adiou o relançamento do seu serviço, afirmando que a empresa está a demorar mais algum tempo de forma a "garantir que obtém os melhores acordos possíveis das grandes companhias discográficas antes de reabrir" o sistema de partilha de ficheiros de música em formato digital, tal como se pode ler num comunicado divulgado pela companhia.



Estava previsto que o relançamento do serviço, que tem estado offline desde Julho do ano passado, fosse realizado durante esta Primavera. A companhia não definiu ainda outra data de relançamento, mas o seu director executivo, Konrad Hilbers, afirmou hoje, quarta-feira, à agência Reuters que nos próximos nove meses não seria aberta uma nova versão protectora dos direitos de autor e, por conseguinte, paga do serviço.



A empresa precisa de estabelecer contratos de licenciamento com as principais companhias discográficas - como a Warner Music, Universal Music, Sony Music, EMI e a BMG da alemã Bertelsmann (que é também a maior proprietária do serviço) -



Contudo, estas negociações têm vindo a proceder-se de uma forma lenta, à medida que um processo instaurado pelas cinco grandes majors ao Napster se arrasta nos tribunais dos Estados Unidos.



Na segunda-feira, a juíza Marilyn Hall Pattel decidiu que o Napster terá de permanecer fechado até que possa cumprir totalmente uma sentença judicial que o obriga a remover toda a música protegida por direitos de autor do seu serviço online.



O tribunal obrigou a que o Napster fosse encerrado em Julho passado. No caso de o relançamento ser adiado mais nove meses, o primeiro serviço online de partilha de ficheiros poderá vir a sofrer uma maior concorrência.



Em Dezembro, as cinco grandes companhias discográficas lançaram os seus próprios serviços legítimos, o Pressplay e o MusicNet, com vista a tirar proveito da tendência para a obtenção de músicas em formato digital a partir da Internet e, simultaneamente, a reduzir os níveis de pirataria online.



Já no dia de hoje, a mesma juíza concedeu ao Napster a possibilidade de recolher até ao final do ano documentos das companhias discográficos relativos à formação dessas duas joint ventures, segundo o Wall Street Journal.



A empresa espera que os documentos ajudem a comprovar o seu argumento de que os dois serviços online pagos utilizaram incorrectamente os seus direitos de autor ao imporem condições bastante restritivas na utilização das suas músicas por potenciais parceiros.



A Associação Norte-americana da Indústria Discográfica - RIAA, o grupo industrial que processou o Napster em nome das principais empresas do sector - tinha pedido à juíza Pattel que concedesse à Napster um prazo até Setembro para terminar a sua investigação dos documentos e depoimentos das testemunhas.



O Departamento de Justiça dos Estados Unidos encontra-se também a pesquisar os mesmos serviços de forma a detectar eventuais violações das leis anti-trust. O Napster vai receber entre 600 a 800 mil documentos que esta entidade do governo dos EUA já obteve relativas às duas empresas como parte da sua investigação.


Notícias Relacionadas:

2001-10-30 - Napster volta a estar online em 2002

2001-08-07 - Serviços de subscrição de música enfrentam investigação anti-trust

2001-07-27 - Napster encerrada temporariamente

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.