Depois de ter melhorado a sua posição no ranking da competitividade digital do International Institute for Management Development (IMD) em 2018, Portugal cai agora para 34º lugar na lista de 2019 da escola de gestão baseada nos fatores de competitividade em 63 economias. No top três estão os Estados Unidos, Singapura e Suécia.

Competitividade digital: Portugal está melhor mas continua abaixo da média europeia
Competitividade digital: Portugal está melhor mas continua abaixo da média europeia
Ver artigo

Tendo em conta fatores como as qualificações dos recursos humanos, regulamentação, capital disponível para apoiar o mercado digital e adaptação tecnológica,  Portugal surge agora atrás da Polónia e Eslovénia, comparativamente com 2018.

Ranking do International Institute for Management Development 2019

A economia portuguesa fica atrás de 16 Estados-membros da União Europeia, grupo onde a Suécia tem melhor posição. Em contrapartida, adianta-se em relação a outros dez, como a Itália e a Grécia. Em termos de países americanos, Portugal surge mais bem posicionado que nações como o Brasil, Argentina e Venezuela.

Infraestruturas, recursos humanos e capacidade de gestão não são o "forte" do país

Quando analisada em detalhe, a situação portuguesa é mais negativa devido a fatores como a agilidade dos negócios e o setor tecnológico. Decompostos em subfatores, os critérios com a pior classificação estão relacionados com infraestruturas, recursos humanos e capacidade de gestão. Mas a pior classificação é a da penetração da rede de banda larga móvel, tendo em conta que o país ficou na 59º posição. Quanto às exportações tecnológicas a situação não é muito mais favorável, com Portugal a ocupar o 56º lugar.

Ferramenta para avaliar maturidade digital das empresas já está disponível online
Ferramenta para avaliar maturidade digital das empresas já está disponível online
Ver artigo

Portugal está também mal posicionado no que diz respeito à formação no posto de trabalho (58º) e igualmente entre os mais mal colocados em relação à experiência internacional dos seus quadros (54º). Por fim, os gestores portugueses estão entre os menos capazes de se adaptarem às mudanças, ficando na 54ª posição.

No que diz respeito aos pontos positivos é no enquadramento regulamentar que Portugal consegue obter a sua melhor pontuação. O país é o 5º mais bem classificado entre as mais de seis dezenas de países no que diz respeito às leis de imigração.

O segundo critério mais bem classificado está relacionado com a proporção de formados em áreas científicas (11º lugar), seguindo-se o número de utilizadores de Internet (12º) e o número de alunos por professor no ensino superior (13º).

Nesta edição o IMD introduziu pela primeira vez aspetos relacionados com a robotização da economia. No critério referente ao grau de automação aplicada ao ensino e à investigação Portugal surge no 34º lugar, enquanto no relativo ao peso dos países na distribuição mundial de robots o país conseguiu alcançar a 31ª posição.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.