Em março deste ano constituiu-se uma nova associação em Portugal: o nome oficial é Movimento pró Partido Pirata Português e pode bem ser a génese do Partido Pirata Português como um grupo partidário reconhecido pelo Tribunal Constitucional e que, um dia, pode surgir no boletim de voto.

Este ano há eleições legislativas em Portugal, mas ainda não será desta que o PPP vai ter uma participação mais ativa no processo. O número de assinaturas conseguidas continua nas centenas. "A recolha de assinaturas está parada, ainda estamos a tentar nos organizar", disse André Rosa, um dos elementos da associação.

Mas em breve tudo pode mudar justamente pelo facto de o PPP ser agora uma associação reconhecida de forma oficiosa. Além de proporcionar uma maior ligação de confiança com as pessoas, agora é possível abrir núcleos do Movimento pró Partido Pirata Português.

E é tão fácil como juntar sete pessoas da mesma localidade e que partilhem os ideais do PPP. Quer isto dizer que nos próximos meses é possível que surjam vários núcleos "piratas" espalhados um pouco por todo o país.

André Rosa admitiu em conversa com o TeK que os núcleos terão total liberdade para definirem as suas ações e agenda, desde que "não fujam das bandeiras oficiais do partido".

E quais são essas? Os interessados podem consultar a "Roda Pirata", um guia criado pelo primeiro partido pirata do mundo - o sueco - e que serve como orientação a outros movimentos piratas em todo o mundo. André Rosa revelou, por exemplo, que estão a trabalhar na tradução da "roda pirata" para português, para que as pessoas possam perceber melhor o que a associação vai querer fazer um dia mais tarde caso chegue a ser reconhecida como partido oficial.

Através dos núcleos o MPPP espera também alargar a sua capacidade de recolha de assinaturas e apoiantes.

O lado positivo da desgraça

O Partido Pirata Português já se tinha manifestado a propósito do bloqueio do The Pirate Bay em Portugal, considerando o mesmo como inútil. Mas o movimento associativo sentiu aquilo que os suecos já tinham sentido: o escândalo em torno do site de torrentes traz mais atenção para a organização.

André Rosa explicou que após a decisão de bloqueio o número de acessos ao site e a interação das pessoas nas redes sociais aumentaram. Algo que já é bom, mas ainda não é ideal, já que noutros países os escândalos relacionados com casos de pirataria costumam traduzir-se em votos.

"É difícil convencer as pessoas a serem mais ativas", atirou o porta-voz do MPPP.

Escolher um nome partidário sem a designação de pirata talvez ajudasse, reconheceu André Rosa, mas é algo que está fora de questão pois não estaria a corresponder à verdadeira identidade do grupo. "Não queremos abandoná-la", disse.

Para facilitar a conquista de assinaturas e a interação das pessoas, a associação vai ainda perguntar ao Tribunal Constitucional se é possível fazê-lo através da integração de uma ferramenta que faz a validação através do Cartão de Cidadão.

Esta não é a primeira vez que o MPPP tenta fazer esta integração, mas na altura não era tecnologicamente viável.

Rui da Rocha Ferreira


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.