“Não sou fã dos Bitcoins ou de outras criptomoedas que não são dinheiro e cujo valor é altamente volátil” e imprevisível”, defendeu o presidente norte-americano Trump. “Estes cripto bens não regulados podem facilitar comportamentos impróprios, incluindo comércio de drogas e outras atividades ilegais”, acrescentou. Explicadas as fragilidades das criptomoeadas, Trump adiantou que “pela mesma razão, a moeda virtual do Facebook, a Libra, será pouco confiável e terá pouca importância”.

Em linha com o que já tinha defendido, o presidente aconselhou a empresa, a seguir regras tradicionais, se quiser transformar-se num banco. “Se o Facebook e outras empresas quiserem ser um banco devem seguir os procedimento legais [...] sujeitar-se aos regulamentos do sector, como qualquer outro banco”, afirmou na rede social.

Sem surpresas, para o presidente dos Estados Unidos, o dólar é a moeda mais fiável do mundo. “Só temos uma moeda nos EUA e está mais forte que nunca”, recordou.

Senado francês confirma taxa aos gigantes das TI mesmo sob ameaça de Trump
Senado francês confirma taxa aos gigantes das TI mesmo sob ameaça de Trump
Ver artigo

No último ano o valor do Bitcoin aumentou 70% e a moeda vale hoje 11.450 dólares, o que faz com que muitos especialistas estejam ao lado de Trump, no que se refere à instabilidade da moeda e ao risco do investimento. No início do mês, o próprio Congresso pediu à empresa de Mark Zuckerberg para suspender temporariamente o desenvolvimento da moeda.

No entanto, as declarações do presidente já motivaram críticas, de entidades como a Blockchain Association, para quem o presidente devia apoiar este tipo de tecnologia, pelo seu potencial para impulsionar o crescimento económico dos EUA.

Milhões impedidos de seguir Trump no Twitter, garante o próprio

No mesmo dia, esta quinta-feira, Trump voltou a acusar as redes sociais de manterem contra ele uma política de censura. Twitter e Facebook foram os principais destinatários da mensagem do presidente, proferida durante a 1ª conferência promovida pela Casa Branca sobre redes sociais. “Para mim não há dúvidas de que há milhões e milhões de pessoas [a querer seguir-me] mas que sei que foram bloqueadas”, referiu o presidente no evento, como cita a Business Insider.

Trump acrescentou que é interpelado com frequência por pessoas que se queixam de querer segui-lo e não conseguem: “eles tornaram-no completamente impossível” considerou, referindo-se ao Twitter.

Recorde-se que no início do ano Jack Dorsey, CEO do Twitter, teve mesmo um encontro com o presidente na Casa Branca para falar sobre o tema e sobre as acusações, que a rede social sempre tem negado.

O encontro promovido pela Casa Branca reuniu conservadores de vários quadrantes, ativistas e várias personalidades ligadas aos media. Trump deixou ainda uma novidade, revelando que planeia encontrar-se com os responsáveis das principais redes sociais nas próximas semanas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.