A migração da TV para o streaming continuou a um ritmo consistente em 2018. Nos EUA, as fornecedoras de serviços de televisão perderam cerca de três milhões de clientes, de acordo com um relatório do Leichtman Research Group. Os serviços de TV por satélite foram os mais afetados.

Há cada vez mais portugueses a pagar para ver televisão. A fibra ótica é o acesso mais comum
Há cada vez mais portugueses a pagar para ver televisão. A fibra ótica é o acesso mais comum
Ver artigo

Ao todo, as maiores operadoras - Comcast, Charter, Cox, Altice, Mediacom, e Cable One - perderam um total combinado de 910 mil clientes em 2018, um número que evidencia um crescimento acentuado se o compararmos com o registo de 2017, que rondou os 660 mil clientes. Note ainda que, no final do ano passado, estas seis empresas tinham cerca de 47 milhões de subscritores.

Caminho inverso fizeram os serviços digitais online de algumas das empresas que operam neste segmento. A DirectTV e a Dish, conhecidas pelos seus pacotes de TV por satélite, ganharam centenas de milhares de subscritores nas suas plataformas de streaming. A estatística é concordante com o que aconteceu no segmento da internet, ao qual se juntaram 2,9 milhões de novos subscritores em 2018.

O relatório não inclui dados das plataformas de streaming mais conhecidas do público internacional, como a Netflix, a Amazon e a Hulu, mas esse segmento está em fase de acentuado crescimento. De acordo com o portal ArsTechnica, só nos Estados Unidos, o Netflix conta com 58,5 milhões de subscritores.

É interessante ver que, mesmo dentro das ofertas de uma operadora tradicional, os consumidores já tendem a preferir os serviços digitais fornecidos via internet em detrimento da televisão clássica que dominou o entretenimento das famílias durante várias décadas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.