De acordo com os dados divulgados ontem ao final do dia, a empresa que resultou da fusão entre a Consiste e a Pararede conseguiu lucros de 739 mil euros entre janeiro e setembro, mais % que no período homólogo.



Nos mesmos nove meses garantiu um volume de negócios de 62,5 milhões de euros, numa descida de 8%. 24% do valor faturado foi realizado nos mercados internacionais onde a empresa já está, onde se destacam Angola e o Europa central.



O EBITDA fixou-se nos 5,7 milhões de euros, com os serviços a manterem um peso dominante, relativamente às vendas (49,4 contra 13,08 milhões de euros). Ambas as atividades diminuíram no período em análise. As vendas caíram 22% e os serviços 3%.



Na nota enviada à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, a Glintt explica que o ambiente de incerteza na economia portuguesa "se revela limitador da atividade económica do grupo", embora reconheça alguns sinais de recuperação. Na mesma nota a empresa identifica uma "constante pressão sobre o preço de comercialização dos produtos", no mercado local.



A Glintt espera fechar o ano com um crescimento de 5% no volume de negócios, para uma margem EBITDA entre os 8 e os 10%.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.