Detida por um investidor privado, a Meizu terá cerca de 2% do mercado chinês, onde enfrenta a concorrência de fabricantes como a Xiaomi, a Lenovo ou a Huawei. Nos últimos três meses do ano passado terá vendido cerca de 2 milhões de equipamentos, acelerando o ritmo de crescimento.



Com o investimento da Alibaba - que vai adquirir uma posição minoritária - a fabricante passa a beneficiar dos canais de distribuição da maior loja de comércio eletrónico chinesa e de outros recursos que podem assumir destaque central na expansão da atividade, detalharam as duas empresas em comunicado. De sublinhar, no entanto, que as duas empresas já se relacionavam, depois de no ano passado terem assinado um acordo de parceria que levou o sistema operativo da Alibaba para os telemóveis da Meizu.



Na China 557 milhões de pessoas acedem à Internet através de telemóvel, um número que ajuda a explicar o interesse da Alibaba neste mercado, mas há riscos no investimento, dizem os analistas. Embora a China seja o maior mercado de telemóveis no mundo e os números de vendas continuem a ser impressionantes, o último ano não revelou crescimento. Em 2013 tinham sido vendidos 423 milhões de equipamentos, no ano passado as vendas fixaram-se nos 389 milhões, de acordo com dados oficiais do governo.




A Alibaba já tinha dado outras provas do interesse no mercado móvel, a começar pela criação do seu próprio sistema operativo móvel, o YunOS, criado com o principal objetivo de incentivar a utilização das suas aplicações e serviços de comércio eletrónico.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.