O governo venezuelano poderá estar a converter as reservas da Petroleos de Venezuela SA (PVDSA), a petrolífera estatal, em criptomoedas avança a Bloomberg. O plano surge como forma de contornar as sanções impostas pelos Estados Unidos e conseguir fazer pagamentos em atraso aos fornecedores da empresa.

A Petroleos de Venezuela pretende transferir as suas reservas para o Banco Central Venezuelano após a sua conversão em Bitcoin e Ethereum, as duas moedas digitais mais conhecidas e utilizadas no mundo. No entanto ainda não é clara a forma como a petrolífera conseguiu obter as critptomoedas nem a quantidade que esta detém.

De acordo com a Bloomberg, a petrolífera venezuelana tem enfrentado dificuldades em pagar aos seus fornecedores. A maioria dos bancos internacionais não está disposta a fazer negócios com a empresa devido às sanções que foram impostas ao país. Por exemplo, em agosto deste ano, a Petroleos de Venezuela recebeu parte de um pagamento de 700 milhões de dólares em yuan como decisão de último recurso.

O governo de Nicolás Maduro está também a considerar a possibilidade de apostar num sistema russo de pagamentos internacionais em vez do método SWIFT, utilizado por bancos um pouco por todo o mundo, como forma de evitar os efeitos de futuras sanções.

A estratégia de transferência das reservas da PVDSA para o Banco Central Venezuelano, após a sua conversão em criptomoedas, é encarada por muitos como uma jogada arriscada, tal como indica a Engaget. Não existe garantia de que os bancos internacionais e empresas fornecedoras aceitem esta mudança. O potencial para lavagem de dinheiro por trás da decisão é um dos fatores que pode fazer com que estas entidades estejam ainda mais hesitantes em fazer negócios com a Venezuela.

O governo venezuelano tem vindo a apostar em criptomoedas desde 2018 com o lançamento de uma criptomoeda “local” denominada Petro. Embora tenha sido criada para tentar impulsionar a economia do país, o qual está a atravessar uma acentuada crise económica, política e social, o projeto acabou por fracassar.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.