A ParaRede mantém para 2008 o foco do negócio nas cinco áreas definidas para o triénio que termina em 2009, no fim do qual a empresa espera ter reduzido para 20 por cento o peso da venda de produtos de terceiros, dando espaço aos serviços.



O outsourcing é uma das áreas de grande enfoque nesta estratégia, que este ano a empresa quer reforçar, sobretudo junto dos sectores da banca e dos seguros com serviços de BPO. O mesmo tipo de oferta a tecnológica nacional quer levar para Angola, onde as perspectivas para este ano apontam para um crescimento global do negócio na ordem dos 3 dígitos. A entrada neste mercado acabou por ser antecipada por via da aquisição da Sol-S e da Solsuni, que já operavam na região ao nível da integração de infra-estruturas.



Pedro Rebelo Pinto, CEO da empresa assume no entanto que em matéria de outsourcing as perspectivas em África são para já mais favoráveis no que se refere ao outsourcing de pessoas, com alguns negócios já em vista. o BPO é um objectivo mas ainda pouco maduro.



O outsourcing de pessoas é uma área de negócios que a ParaRede gere através da NetPeople, empresa que este ano passou para o controlo da Multipessoal (51 por cento) e que ao longo de 2007 duplicou de dimensão, passando para as 200 pessoas colocadas em clientes.



Outras áreas de grande aposta da empresa para o ano que agora se inicia são o desenvolvimento de competências de integração nas áreas de RBM/BPM e IT Management, que enquadra no relançamento da ParaRede IT Consulting; prevê também o reforço da posição nas áreas de business intelligence, SOA, Microsoft e Java.



Ainda no que se refere aos mercados internacionais a ParaRede mantém a intenção de chegar à Europa de Leste através do negócio de POS (que em 2007 aumentaram 16 por cento). O próximo equipamento a lançar nesta área deverá também ser comercializado naquela região europeia a meados do ano.



A ParaRede fechou 2007 com um crescimento de 419 por cento nos lucros, para 1,6 milhões de euros. O volume de negócios fixou-se nos 58,4 milhões de euros, avançando 13 por cento graças sobretudo ao desempenho nas áreas do outsourcing, suporte multivendor e integração de infra-estruturas.



Para este ano a empresa prevê um crescimento de 10 por cento no volume de negócios e uma margem EBITDA de 6 a 7 por cento.



A mensagem do CEO da ParaRede e os resultados da empresa podem ser conhecidos através do YouTube.



Notícias Relacionadas:

2008-01-23 - ParaRede no top mundial de vendedores de POS
2007-01-31 - ParaRede quer facturar 100 milhões de euros em 2009

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.