O Spotify fez uma atualização nos seus termos de utilização, e enviou aos seus utilizadores as novas condições, destacando a atuação para quem utilize ad blockers, ferramentas que bloqueiam as publicidades geradas no leitor web e equipamentos. Segundo o comunicado, ações de bloquear ou contornar os anúncios do serviço Spotify, ou criar e distribuir ferramentas com o objetivo de evitar a publicidade foram adicionados à lista de ações que podem levar a empresa a banir o utilizador, tendo sido adicionadas à lista de ações proibidas, onde se incluem os devidos direitos de autor das músicas.

As novas medidas são seguidas da recente reunião de acionistas, em que a empresa revelou ganhos pela primeira vez na sua história. Mas o aperto aos utilizadores pode ter tido origem na necessidade de a empresa obter resultados positivos depois da oferta pública lançada no ano passado.

Segundo a Digital Trends, o Spotify, sendo agora uma empresa pública, necessita de legalmente mostrar o número de utilizadores a beneficiar do serviço. Ao que parece, as ferramentas de ad block interferem com os contadores, impedindo a empresa de auferir a sua base de utilizadores.

Foram precisos esperar 13 anos e uma base de 96 milhões de utilizadores pagos para o serviço anunciar lucros operacionais pela primeira vez, no valor de 94 milhões de euros. No total, o Spotify afirma ter cerca de 207 milhões de utilizadores ativos por mês, nos resultados do último trimestre. Ainda assim, a empresa já preveu prejuízos entre 50 a 100 milhões de euros para o próximo trimestre e entre 200 a 360 milhões de euros no final do ano. Essa previsão poderá incluir o investimento na aquisição das empresas de Podcast, como a Gimlet Media, por 200 milhões de dólares.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.