Muitos dos dispositivos que protegem os utilizadores de telemóveis da radiação são inúteis ou diminuem a qualidade de recepção da comunicação, de acordo com um relatório publicado recentemente pelo Departamento de Comércio e Indústria do governo britânico.



O primeiro estudo oficial a examinar a efectividade de vários tipos de protectores da radiação emitida pelos telemóveis conclui que os auriculares são ineficientes e que os dispositivos absorventes conhecidos por "botões" reduzem a exposição ao telemóvel pelo utilizador em apenas 20 por cento, um dado que foi comprovado com a realização de testes normais.



Apesar de as capas de protecção e os clips de antenas poderem reduzir significativamente a radiação que atinge o utilizador, estes dispositivos podem fazer diminuir o desempenho do telemóvel, em especial, no interior de edifícios e outras áreas de fraca recepção.



Este relatório foi comissionado pelo Departamento do Comércio e Indústria em resposta a uma recomendação efectuada por um painel independente - designado Independent Expert Group on Mobile Phone - em Maio de 2000, pedindo que fosse disponibilizada informação clara sobre a efectividade dos protectores de telemóveis.



Contudo, muitos críticos argumentam que o relatório tem pouca utilidade, dado que não identifica nenhum produto individual. Segundo os investigadores que o organizaram, essa medida teve como fim não suscitar nenhum problema comercial.



Apesar de não existir qualquer prova científica de que a radiação emitida pelos telemóveis é prejudicial à saúde, estão disponíveis no mercado dezenas de dispositivos que prometem proteger os utilizadores.



O relatório examinou quatro categorias de dispositivos: capas de protecção, auriculares e protectores, clips de antenas e botões absorventes. No total, foram testados 11 dispositivos em telemóveis Nokia e Ericsson.



O relatório afirma, em conclusão, que "os testes realizados neste estudo demonstraram que muitos dos dispositivos protectores podem reduzir o nível de absorção máxima em grandes quantidades. Geralmente, contudo, esta redução deves ao facto de o dispositivo limitar o poder útil de transmissão numa quantidade semelhante, o que tem a desvantagem associada de reduzir o desempenho do telemóvel em áreas de fraco sinal ou no interior de edifícios".


Notícias Relacionadas:

2001-05-23 - Pesquisas sobre o perigo dos telemóveis para a saúde são inconclusivas

2000-12-12 - Investigadores aconselham cuidados especiais no uso de telemóveis

2000-11-03 - Segurança do kit mãos livres de novo posta em causa

2000-08-09 - Kits mãos livres evitam radiações

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.