Depois de uma redução gradual imposta nos últimos anos, chegam ao fim esta quinta-feira, 15 de junho, as chamadas tarifas de roaming, e mesmo a tempo do período de férias da maioria dos cidadãos europeus.

A partir de hoje, quando viajar para um país da UE pode fazer chamadas, enviar mensagens e navegar na internet ao preço “de casa”, de acordo com o seu tarifário. Mas não se esqueça que há alguns limites definidos que têm de ser observados.

Em dezembro passado, a Comissão Europeia aprovou aquilo que chama de "política de utilização responsável", e que pretende evitar um consumo ininterrupto de comunicações fora do país de origem.

O roaming está a chegar ao fim. Mas o que é que isso significa para a sua “carteira”?
O roaming está a chegar ao fim. Mas o que é que isso significa para a sua “carteira”?
Ver artigo

As regras adotadas permitem que as operadoras cobrem um valor máximo adicional de quatro cêntimos por chamada telefónica, um cêntimo por cada mensagem de texto e 0,085 cêntimos por cada megabyte, caso se venha a verificar que o consumidor realiza mais comunicações fora do que dentro do seu país de origem.

Estas sobretaxas só podem ser aplicadas depois de uma análise aos hábitos de consumo de um cliente, num período mínimo de quatro meses, mostrar que passou mais de dois meses fora do país de origem e realizou mais comunicações no estrangeiro do que no mercado de partida.

E se as taxas de roaming chegam ao fim para os utilizadores dos países da União Europeia, o mesmo não acontece para as operadoras, que vão continuara a suportar os custos entre si.

Por cada chamada de voz feita, a operadora do país de origem pagará até 3,2 cêntimos por minuto à congénere do país de destino do seu cliente, pela utilização da rede, e um cêntimo por mensagem de texto.

Quanto aos dados móveis, serão cobrados 7,70 euros por cada GB. Contudo, este valor vai caindo anualmente até que, depois de 1 de janeiro de 2022, o montante deverá estabilizar nos 2,5 euros por GB.

Estudo garante que portugueses vão pagar mais nas telecomunicações com o fim do roaming
Estudo garante que portugueses vão pagar mais nas telecomunicações com o fim do roaming
Ver artigo

A atribuição de custos às operadoras não é bem visto pelas empresas. Em Portugal a oposição da Apritel é clara. A associação defende que o fim do roaming é prejudicial para as operadoras e atrasa a inovação no país, antevendo que a decisão europeia possa acabar por conduzir a um aumento dos custos totais nas comunicações. O mesmo concluiu um estudo recente.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.