Por António Bob Santos (*)

[caption]António Bob Santos [/caption]
Os desenvolvimentos que têm ocorrido na economia mundial nas últimas décadas têm trazido um desafio interessante às políticas públicas: de que forma é que questões como o desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação (TIC), a divisão do trabalho resultante da globalização, o desenvolvimento dos mercados de intermediação tecnológica e comercialização de ideias, o outsourcing, as redes colaborativas ou o desenvolvimento e massificação da Internet podem ser acomodadas e ter resposta ao nível do desenho das políticas de inovação?

Há cerca de dez anos, surgiu o conceito de inovação aberta (open innovation), que reúne e integra um conjunto de desenvolvimentos, práticas e atividades já existentes, mas que são potenciadas pelas alterações recentes das economias globais e visam dar uma resposta mais eficaz aos problemas com que as empresas e os outros atores dos sistemas de inovação se defrontam. Henry Chesbrough, o "pai" do conceito, define inovação aberta como "os fluxos de entrada e saída de conhecimento e tecnologia da empresa, que permitem à empresa acelerar o seu processo de inovação, bem como alargar e penetrar em novos mercados para a utilização externa dessa inovação".

Ou seja, e de uma forma muito resumida, o que a inovação aberta nos vem dizer é que as empresas devem utilizar e incorporar nas suas atividades o conhecimento produzido externamente (por clientes, fornecedores, universidades, concorrentes, etc.), em vez de quererem inventar e produzir tudo internamente; que as ideias e conhecimento que vem de fora da empresa tem tanta importância como as ideias e conhecimento produzido na própria empresa; que as empresas podem ter um maior retorno se disponibilizarem a sua propriedade intelectual a outros, para que possa ser explorada e rentabilizada no mercado (em vez se apropriarem na totalidade das suas patentes e outros direitos, que muitas vezes não se transformam em produtos); que a inovação é colaborativa e que a partilha de conhecimento pode gerar maior valor acrescentado.

O conceito de inovação aberta traz um novo desafio para todos os atores que se relacionam com as empresas, mas também para as entidades públicas responsáveis pelas políticas de inovação, dado que estas têm a capacidade de desenvolver iniciativas e de criar um enquadramento favorável (ou não) a uma inovação mais aberta. Isto é crítico não só para os países mais avançados tecnologicamente, mas também para os países moderadamente inovadores, como é o caso de Portugal.

Neste sentido, interessa saber se as empresas e os agentes económicos em Portugal estão preparados para uma inovação mais aberta (tecnologicamente e culturalmente), quais as implicações para as políticas públicas (incentivos; governance) e se a inovação aberta pode constituir um novo quadro conceptual de desenvolvimento das políticas de inovação e de crescimento em Portugal.

Um resultado preliminar de um trabalho de investigação em curso sobre Inovação Aberta e políticas públicas de I&D e Inovação em Portugal (no âmbito do meu Doutoramento em Economia), indica que as políticas de inovação desenvolvidas na última década em Portugal têm vindo a ser tendencialmente orientadas para as áreas que promovem a Inovação Aberta, ainda que de forma pouco intensa. Apesar disto, verifica-se que a maior parte do financiamento dos projetos aprovados pelos sistemas de incentivos nacionais (QREN) vão para as áreas relacionadas com a aquisição de equipamentos e maquinarias, e não para as áreas imateriais ou colaborativas - como a intermediação tecnológica, transferência de tecnologia, marcas, patentes e licenças - que são mais orientadas para estimular a inovação aberta.

Esta questão pode significar que o perfil da maior parte das nossas empresas pode ainda não estar adequado à adopção generalizada das práticas de inovação aberta, devido aos seus problemas estruturais de competitividade, de qualificação, de organização e de visão estratégica. São, certamente, tópicos a desenvolver.

(*) Economista e especialista em Políticas de Inovação; Doutorando em Economia

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.