Por Ricardo Ambrona (*)

Para a indústria da informação e dos centros de dados, a perturbação pandémica foi também um importante catalisador para uma digitalização acelerada. Felizmente a maior parte da tecnologia necessária durante a crise já existia, apoiada por infraestruturas de centros de dados e de telecomunicações. A crise impulsionou sim, a rápida adoção destas tecnologias e acelerou os desenvolvimentos que já estavam em curso. E o mais significativo é que esta mudança é suscetível de ser irreversível. Quando se remove um catalisador, as reações que ele provocou não se invertem. A maior dependência dos centros de dados (e, por extensão, da infraestrutura de telecomunicações que nos liga a eles) está aqui para ficar.

No entanto, há sérios problemas associados a isto. A nossa economia e a nossa sociedade aceleraram os dados, exatamente na altura em que precisamos de travar o consumo de energia se quisermos combater as alterações climáticas. Não há megabits sem megawatts, e à medida que exigimos e produzimos cada vez mais dados, os níveis de consumo de energia irão aumentar.

O centro de dados num mundo de transformação de energia

Como pode, então, a indústria alcançar objetivos aparentemente contrastantes e escalar enquanto decresce? O fecho deste círculo será a característica dominante da indústria de energia e centros de dados nos próximos cinco anos. Como se este enigma não fosse suficiente, agora a eletrificação está a varrer outros sectores industriais, dos transportes, do aquecimento/arrefecimento doméstico e comercial. Uma vez que a procura de energia elétrica está prestes a aumentar, os operadores de centros de dados irão enfrentar duros desafios no acesso à escassa e nova produção de energia.

A solução é aumentar a produção de energia renovável, não só para satisfazer a nova procura mas também para deslocar a atual produção baseada em fósseis. Assim, não é apenas a indústria dos centros de dados que enfrenta desafios. Os próprios operadores de redes de energia serão pressionados ao serem solicitados a executar o truque mágico de aumentar a oferta ao mesmo tempo que desativam as centrais de combustíveis fósseis.

Isto irá exercer mais pressão sobre os utilizadores finais comerciais. E os governos que estabelecem as regras e a direção dos mercados energéticos, serão convidados a tomar decisões complexas e altamente consequentes, sobre como a energia é produzida, gerida e quem é priorizado para o consumo de energia. Dublim, por exemplo, elevou-se para se tornar um importante centro de dados para a Europa, e os centros de dados ocupam atualmente cerca de 11% da capacidade da rede da Irlanda. Com avisos de que este valor aumentará significativamente, houve mesmo apelos políticos a uma moratória sobre novos centros de dados. Entre todos os interessados, o panorama energético e dos centros de dados é agora bastante complexo, exigindo novas políticas e estratégias. Seria ingenuidade assumir que o caso da Irlanda é único.

Capacidade limitada significa uma supervisão aguda

O desafio para os centros de dados já não será o da eficiência, mas o da sustentabilidade. Novas métricas, novas abordagens à conceção e funcionamento dos centros de dados serão objeto de maior escrutínio, tal como a energia consumida pela infraestrutura global de telecomunicações que tem uma necessidade energética muitas vezes superior à da indústria dos centros de dados.

Confiamos nos dados, os dados dependem da energia, e em breve surgirá um fosso significativo entre os nossos desejos e necessidades. Por um lado, isto aparece como uma crise. No entanto, por outro lado, este será o tipo de lacuna que atrairá sérios investimentos e inovação. Para a rede, esta lacuna permitirá que novos empreendimentos privados e já existentes construam a energia renovável de que precisamos desesperadamente.

A oportunidade de mercado para o alinhamento de dados e energia

O mercado de fornecimento de energia abriu a porta a novas abordagens e novos modelos. Para os centros de dados, irá solidificar os argumentos económicos para uma nova relação com a energia, não apenas como consumidores mas como locais que apoiam a rede com serviços energéticos, armazenamento e mesmo produção de energia.

Os dados e a energia irão realinhar-se e em breve, em alguns casos, esse alinhamento tornar-se-á também uma proximidade física. Com a economia e a política a começarem a alinhar-se desta forma, justifica-se que os centros de dados ofereçam não só uma resposta de frequência, mas também passem a ser fornecedores diretamente e de forma flexível da rede. O acoplamento sectorial, portanto, poderia tornar-se uma das principais primeiras páginas de 2022 para o sector dos centros de dados.

Hoje, no inicio de mais um ano, estamos a ver os primeiros vislumbres do que poderá ocorrer; no final de 2022: os dados e a energia terão sido verdadeiramente redesenhados e, esperemos, analisados em conjunto, e continuaremos a ver o crescimento de empreendimentos estruturados para tornar os centros de dados parte da solução para a transição renovável.

(*) responsável pelo Data Center da Eaton Iberia

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.