Quem se lembra do Nokia Communicator? Numa altura em que a moda era "encolher" o tamanho dos telemóveis a Nokia sabia que tinha um nicho de utilizadores que gostava de um teclado QWERTY integral, acessível quando se abria o telefone, e a ideia nunca abandonou a linha de produtos da marca finlandesa.

O Nokia E7, que chegou recentemente às lojas portuguesas, é um digno herdeiro dessa linha de produtos que tem na árvore genealógica os modelos E61 e E71, com ecrãs pequenos e teclados integrais. Embora quando fechado o telemóvel pareça o irmão mais novo do modelo N8, lançado no ano passado, é quando se faz deslizar o ecrã para mostrar o teclado que a diferença se revela, mesmo em relação ao Nokia N97, que também tinha teclado QWERTY.

[caption]nokia e7[/caption]

Por baixo do ecrã de 4 polegadas, multitoque, o teclado QWERTY torna-o um pequeno computador que pode estar facilmente assente sobre a mesa ou ser usado em suspensão com o apoio de duas mãos. O sistema usado para aceder ao teclado, empurrando levemente os cantos do ecrã, é uma obra de engenharia que se torna agradavelmente surpreendente.

[caption]nokia e7[/caption]

São precisas as duas mãos para fazer surgir o teclado, com o ecrã a inclinar-se num ângulo de cerca de 45 graus, mas curiosamente o teclado acaba por não ser tão fácil de usar como era esperado, precisamente devido à "moldura" onde assenta a parte superior quando o terminal está fechado e à maior dificuldade de aceder à primeira linha de teclas, demasiado próximas do ecrã.

[caption]nokia e7[/caption]

Vale a pena pegar num telefone só para experimentar abrir e fechar o equipamento umas vezes, vendo o sistema em acção e verificando que a qualidade do design e da engenharia transmitem a confiança de que ao fim de milhares de utilizações o ecrã continuará a deslizar de forma tão suave e precisa como no primeiro dia, encaixando suavemente sempre que o quiser usar só em modo de toque sobre o ecrã.

Não há dúvida de que o Nokia E7 tem todas as características para o tornar um modelo topo de gama, desde a qualidade e robustez do design do chassi à elegância e descrição com que foram colocados os vários botões que que permitem aceder de forma fácil aos menus, à câmara de 8 Megapixels e bloquear o ecrã, ou gerir o volume de som.

Nada foi deixado ao acaso e apesar da dimensão e peso um pouco elevado (176 gramas quando o iPhone se fica pelas 136 gramas) o Nokia E7 é um telefone que se coloca facilmente no bolso do casaco e com orgulho sobre uma mesa de reunião.

Por dentro o Nokia E7 é consistente com o cuidado aplicado na apresentação. O processador ARM 11 de 680 MHz, 256MB de RAM suporte a gráficos OpenGL 2.0, mostra estar à altura das exigências e a memória de 16 GBytes parece suficiente para guardar muito da vida profissional e pessoal do utilizador.

A câmara de 8 Megapixels não é a melhor que a Nokia já incluiu nos seus telemóveis, mas não desilude na captura de imagens e de vídeo, permitindo a edição fácil das fotografias ou pequenas reportagens de vídeo, como já se torna habitual em alguns equipamentos. É pena que o botão dedicado à câmara não active imediatamente o modo de fotografia, obrigando o utilizador a navegar entre menus até encontrar a aplicação, o que pode fazer com que perca "aquele" momento ideal da fotografia.

O software que liga todas as funcionalidades é o sistema operativo Symbian 3, que a Nokia irá substituir pelo Windows na sequência do acordo realizado com a Microsoft, uma circunstância que torna um pouco estranha a análise de qualquer telefone da marca neste momento de transição.

Quem está habituado ao Symbian não vai estranhar a apresentação de ícones em modo "amigável", onde o utilizador define as aplicações e ferramentas mais importantes em três ecrãs, que pode passar rapidamente para um sistema de lista mais tradicional. Esta versão do Symbian 3 deverá em breve ser actualizada com a versão Anna, que deverá estar pronta para download dentro de algumas semanas e garante um aspecto mais "fluido e fresco", com navegação mais rápida.

Do email e ferramentas de produtividade às aplicações de jogos, facilmente acessíveis através da OviStore, o Nokia E7 pode tornar-se o centro de comunicação no dia a dia, mesmo na ligação às redes sociais.

[caption]nokia e7[/caption]

O email é fácil de configurar dando acesso a webmail ou ligação ao servidor de Exchange, o que facilita a combinação entre mensagens particulares e empresariais. A pensar na confidencialidade a Nokia incluiu a configuração de VPNs, e o suporte de conectividade é tão alargado como já é habitual nos terminais profissionais da marca, com Wi-Fi, Bluetooth e HSDPA até 10,2 Mbps.

[caption]nokia e7[/caption]

A Nokia pensou também na ligação de vídeo HDMI e inclui no pacote do telefone um pequeno cabo para ligar à televisão (muito curtinho), uma lembrança bem-vinda numa altura em que muitos fabricantes de electrónica de consumo ainda se "esquecem" dos cabos, obrigando os consumidores a compras adicionais…

[caption]nokia e7[/caption]

Outra curiosidade em cabos é a inclusão de um especial para ligar uma pen USB ao telemóvel. A ideia é interessante e contraria as críticas de falta de ligações que são feitas aos principais concorrentes, mas não é uma solução muito prática, já que obriga a trazer consigo mais um acessório…

Contas feitas a todos os elementos, este é um telefone que compete de forma elegante com outros "pesos pesados" do mercado, do iPhone a alguns dos principais protagonistas topo de gama do mundo Android, como a Samsung e o HTC.

O preço de 599 euros coloca-o obrigatoriamente nesta "prateleira", mas a experiência de utilização do sistema operativo não é tão satisfatória embora tenha ganho a nossa simpatia pela qualidade do design e engenharia do sistema de acesso ao teclado.

Deixamos abaixo um pequeno vídeo da Nokia que demonstra algumas das funcionalidades do novo terminal.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.