O especialista em informática Walter Delgatti afirmou perante a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Congresso brasileiro que o ex-presidente lhe prometeu um "indulto" se fosse descoberto e preso por essas operações ilegais. Segundo adiantado, Bolsonaro falou com o hacker sobre o risco de uma rutura institucional no Brasil se perdesse a eleição.

"Segundo ele [Bolsonaro], eles haviam conseguido um grampo [escuta ilegal], que era tão esperado à época, do juiz Alexandre de Moraes. Que teria conversas comprometedoras do juiz, e ele precisava que eu assumisse a autoria desse grampo", disse.

"[Bolsonaro] havia concedido um indulto a um deputado federal. E como eu estava com o processo da Spoofing [operação sobre invasão de telemóveis de autoridades brasileiras] à época, e com as [decisões judiciais] cautelares que me proibiam de acessar a Internet e trabalhar, eu visava a esse indulto. E foi oferecido no dia", declarou.

Delgatti afirmou que falou com o ex-presidente sobre sua prisão num segundo momento. Nesta conversa, Bolsonaro terá dito: "Fique tranquilo, se algum juiz te prender, eu mando prender o juiz".

Num depoimento tenso, o pirata informático disse ainda que o ex-presidente e alguns de seus aliados e assessores sugeriram a criação de uma falsa urna eletrónica, que seria usada na campanha eleitoral.

A ideia era criar um código fonte para colocar numa urna falsa de votação e simular o momento do voto. No caso, o eleitor escolheria um candidato, mas o voto seria registado em outro, o que levaria os apoiantes de Bolsonaro a acreditarem que o sistema eletrónico de votação foi viciado.

Vigilância através de telemóveis: Ministério Público brasileiro vai investigar controle de cidadãos no Governo de Bolsonaro
Vigilância através de telemóveis: Ministério Público brasileiro vai investigar controle de cidadãos no Governo de Bolsonaro
Ver artigo

Delgatti especificou que os seus encontros com Bolsonaro foram mediados pela deputada Carla Zambelli, com quem trabalhava na época, e que o ex-presidente chegou a encaminhá-lo ao Ministério da Defesa cinco vezes para discutir o assunto com especialistas em informática.

Segundo o pirata informático, os encontros com Bolsonaro foram na residência oficial da Presidência e também esclareceu que nessas reuniões explicou ao ex-presidente que os sistemas de votação não poderiam ser violados.

Diante disso é que Bolsonaro teria alegadamente sugerido a Delgatti que criasse a urna falsa, o que nunca foi feito, e também pediu que invadisse redes informáticas da Justiça brasileira.

O pirata realmente invadiu o Banco Nacional de Monitoramento de Prisões (BNMP) do país e incluiu um mandado de prisão falso contra o juiz Alexandre de Moraes, presidente do Superior Eleitoral Tribunal de Justiça (TSE) e membro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Devido à sua campanha contra as urnas eletrónicas que o Brasil usa desde 1996 sem nunca registar fraudes, Jair Bolsonaro foi julgado pelo TSE em junho passado e cassado de todos os seus direitos políticos por oito anos.

O ponto central da denúncia que levou à perda dos direitos políticos, porém, foi uma reunião que Bolsonaro convocou na residência oficial da Presidência do Brasil com 50 embaixadores estrangeiros em 18 de julho de 2022 para desacreditar o sistema eleitoral.

Nessa reunião, transmitida pela televisão pública, Bolsonaro tentou convencer os diplomatas de uma suposta fraude nas urnas eletrónicas e chegou a sugerir que a Justiça eleitoral brasileira conspirava para favorecer o atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, que acabou vencendo as presidenciais.

O encontro com os embaixadores foi mais uma ação da campanha contra as urnas eletrónicas à qual Bolsonaro se tornou ainda mais beligerante a partir de março de 2021, quando o STF anulou os processos por corrupção que levaram à prisão de Lula da Silva, que desde então passou a liderar todas as pesquisas eleitorais até 2022.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.