Embora pensemos na internet como algo não concreto, na verdade essa tecnologia depende de uma ampla estrutura física de servidores e data centers espalhados pelo mundo.

Todos estão ligados por infraestruturas físicas, como cabos submarinos, routers e modems, que consomem recursos naturais e precisam de uma quantidade significativa de energia para funcionar. E gerar energia provoca emissões de dióxido de carbono.

Mapa mostra todos os cabos submarinos que “ligam” o mundo
Mapa mostra todos os cabos submarinos que “ligam” o mundo
Ver artigo

Para ilustrar as consequências do uso do motor de busca Google, Joana Moll, uma artista-investigadora que tem trabalhado na análise da componente física da Internet, criou um ambiente virtual chamado CO2GLE.

O site usa dados do tráfego na internet de 2015, assumindo que o Google processa cerca de 47 mil requisições por segundo no mundo, o que significa uma emissão estimada de 500 quilogramas de CO2 por segundo ou de 10 gramas por requisição feita no motor de busca. Isto significa 300 toneladas de CO2 a cada minuto, mais do que o peso de duas baleias azuis adultas.

Mas, é possível que os dados já estejam desatualizados tendo em conta que a gigante tecnológica indica que, desde 2007 é neutra em emissões de carbono e que desde 2017 usa 100% de energias renováveis.

De qualquer maneira, pode acompanhar as emissões provocadas pelo uso do Google em tempo real neste site.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.