A Megvii é uma startup chinesa, especializada em inteligência artificial, que se tornou recentemente popular por fornecer software de reconhecimento facial ao projeto de vigilância que o governo instalou a nível nacional. No entanto, a empresa está a utilizar as suas ferramentas para criar uma aplicação semelhante para animais de estimação. A ideia é que esta consiga reconhecer focinhos de cão, com base na impressão que estes têm no nariz. Em termos de identificação, este padrão biométrico é tão valioso quanto uma impressão digital.

Na aplicação da Megvii, os donos podem registar os seus cães. Para isso, têm apenas de tirar algumas fotografias ao nariz do animal.

Na China há câmaras com reconhecimento facial que “caçam” alunos desatentos
Na China há câmaras com reconhecimento facial que “caçam” alunos desatentos
Ver artigo

O propósito desta criação é facilitar a reunião de famílias com animais desaparecidos, que por vezes são encontrados longe de casa sem qualquer tipo de identificação. Com este sistema, passa a ser possível cruzar o padrão biométrico do animal com a base de dados, associando logo o nome de uma pessoa, ou família, ao cão. A empresa sublinha que tem uma taxa de sucesso de 95% e, até à data, já conseguiu reunir mais de 15 mil animais com os donos.

Apesar do atual objetivo da app, a Megvii adianta que a tecnologia vai ser utilizada para outros fins. A parceria com o governo levará à criação de uma plataforma onde os donos serão registados por comportamentos de risco, de forma a que seja mais fácil multá-los por passearem o cão sem trela, por não apanharem os dejetos da via pública ou por não se responsabilizarem por qualquer tipo de comportamento que coloque outros em risco.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.