As questões de violação de privacidade de quem usa dispositivos com assistentes pessoais inteligentes têm vindo a gerar preocupações nos Estados Unidos e na Europa. A Apple volta a enfrentar o escrutínio dos reguladores europeus de proteção de dados por armazenar conversas sem o conhecimento dos utilizadores e por ter colaboradores a revê-las manualmente.

Recentemente, Thomas le Bonniec, um antigo prestador de serviços da Apple que ajudou a expor a atuação da empresa da maçã, expressou publicamente os seus receios em relação à falta de cumprimento das leis. Numa carta enviada aos reguladores europeus, o colaborador indica que está “extremamente preocupado com o facto de as gigantes tecnológicas estarem a espiar os cidadãos europeus, apesar de existir a ideia de que a União Europeia tem uma das leis de proteção de dados mais fortes do mundo”.

“Estabelecer uma lei não é suficiente: é necessário impô-la a quem está constantemente a violar a privacidade”, afirma Thomas le Bonniec na carta a que o The Guardian teve acesso. Para o colaborador não há qualquer sombra de dúvida que a Apple e outras empresas continuam a ignorar as regras e a "violar os direitos fundamentais dos utilizadores" ao recolher dados sem o seu consentimento.

Google Assistant fica "surdo" para rever práticas. Apple na mira também tapou "ouvidos" da Siri
Google Assistant fica "surdo" para rever práticas. Apple na mira também tapou "ouvidos" da Siri
Ver artigo

Ao Tech Crunch, Graham Doyle, comissário adjunto da Comissão de Proteção de Dados irlandesa (DCP na sigla em inglês), deu a conhecer que a entidade entrou em contacto com a Apple assim que a sua atuação se tornou pública no verão de 2019. Embora a empresa tenha feito algumas mudanças, a DCP ainda está à espera de respostas por parte da gigante tecnológica.

Em 2019, a Apple pôs um “fim” temporário ao programa global que permitia aos prestadores de serviços ter acesso a gravações da Siri. "Enquanto realizamos uma revisão completa, estamos a suspender a classificação da Siri globalmente. Além disso, como parte de uma futura atualização de software, os utilizadores terão a capacidade de optar por participar na avaliação”, avançou a empresa.

Recorde-se que em março de 2020 um estudo da Northeastern University e do Imperial College London, no Reino Unido, revelou que, embora os assistentes inteligentes não estejam constantemente a gravar as conversas, estes podem ser ativados sem o utilizador querer até 19 vezes por dia.

Estudo revela que colunas inteligentes podem “acordar” por engano até 19 vezes por dia
Estudo revela que colunas inteligentes podem “acordar” por engano até 19 vezes por dia
Ver artigo

Os especialistas concluíram que as colunas inteligentes com mais ativações acidentais são as da Apple e da Microsoft. No caso do Homepod, a Siri “acordava” sempre que surgiram palavras que rimavam com “hi” ou “hey” seguidas por algo que começava pela letra S, ou ainda por algo que rimava com “ri”. Já a Cortana era ativada quando ouvia palavras começadas por “Co”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.