A primeira aeronave da SpaceX com carga deverá tocar o solo de Marte em 2022 e, se tudo correr bem, os primeiros astronautas chegam em 2024, com o objetivo de criarem a estrutura permanente que irá alojar a presença humana no planeta vermelho.

Estas são, resumidamente, as principais linhas detalhadas por Elon Musk para a “conquista de Marte”, apresentadas na primeira pessoa, esta sexta-feira, durante o International Astronautical Congress (IAC), na Austrália, tal como estava previsto desde o início da semana.

A estratégia compreende várias fases. Para cumprir os prazos definidos, a SpaceX planeia começar a construir a BFR - ou Big Fucking Rocket, com a sigla desdobrada -, a primeira nave espacial interplanetária da empresa, em meados do próximo ano.

 

Elon Musk explicou durante a apresentação que se trata de um veículo criado com base nas caraterísticas do Falcon 9, do Falcon Heavy e do Dragon, os três modelos de foguetões testados até agora pela SpaceX.

A nova aeronave terá nove metros de diâmetro e 48 de comprimento e será totalmente reutilizável. Grande parte do seu interior vai servir para alojar os motores e para armazenar combustível.

Já para a parte habitável estão previstos cerca de 825 metros cúbicos, divididos em 40 “camarotes”, cada um com espaço para alojar duas ou três pessoas, havendo também grandes áreas comuns. "No total, levam cerca de 100 pessoas em cada viagem a Marte", referiu Elon Musk.

Apesar de ser o projeto de maior ambição da SpaceX até à data, o “patrão” assegura que o custo é o mais baixo desde o início da estratégia espacial.

O BFR é o mesmo veículo - ou o mesmo tipo de veículo - que entretanto vai andar a dar umas voltas ao mundo, com voos de ligação de tempos "supersónicos" entre cidades.

Antes da chegada a Marte, em 2022, os diferentes momentos da viagem à conquista do planeta vermelho deverão ser testados numa, ainda por criar, base na Lua, nomeadamente o processo de aterragem.