Ler a reportagem da Wired sobre a vulnerabilidade detetada em alguns veículos da Chrysler é como entrar num filme de ficção científica - tirando o facto de ser já uma realidade. Dois investigadores encontraram uma falha de segurança em modelos da marca que permitia controlar à distância, através da Internet, várias componentes dos automóveis.

Sistema de travagem, direção, autorrádio, limpa para-brisas e até o sistema de infoentretenimento dos veículos podem ser “sabotados” graças à vulnerabilidade detetada.

Enquanto o jornalista da revista ia conduzindo na autoestrada, os dois hackers iam manipulando o veículo a partir da cave da casa de um deles. E se no início as demonstrações de “sabotagem” não mostraram o potencial do problema, rapidamente Charlie Miller e Chris Valasek decidiram expor as fragilidades do sistema.

Por mais que o jornalista acelerasse o veículo, as rotações da máquina continuavam a baixar de forma significativa e a perda de velocidade foi feita numa zona onde não havia escapatória de segurança. “A experiência deixou de ser divertida”, comenta o jornalista da Wired a propósito do que estava a acontecer.

Esta não é a primeira vez que a dupla de investigadores conseguiu tomar conta de um carro através de um computador, mas foi a primeira vez que o fizeram sem a necessidade de estar no veículo. Podiam estar em qualquer parte do país.

Do relato vale a pena reter que os piratas informáticos conseguem “matar” por completo os travões do carro. Já no que diz respeito à direção do veículo, “ainda” só conseguem tomar conta da mesma quando o carro está a fazer marcha-atrás.

Charlie Miller e Chris Valasek vão apresentar os resultados da sua experiência na conferência Black Hat, que decorre em agosto em Las Vegas, nos EUA.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.