De acordo com os documentos, os carros robot da Uber têm vindo a aumentar fortemente o volume de milhas percorridas. O principal problema está na “qualidade da condução”, revela o Recode.

Em causa estará o número de vezes que tem sido necessária intervenção humana: muitas, com cada vez menos distância percorrida. Em situações consideradas críticas os relatórios mostram que a necessidade de “pegar no volante” tem oscilado bastante, entre valores melhores e piores.

No que diz respeito a situações caraterizadas como “más experiências”, em que se incluem as travagens bruscas por exemplo, tem sido necessário assumir o controlo dos veículos com muito mais frequência.

Os carros autónomos da Uber já andam nas estradas (norte-americanas) há alguns meses, e até já tiveram direito a passar sinais vermelhos, com toda a atenção mediática que isso possa merecer. 

A publicação dos relatórios mensais surgem num momento pouco positivo para o projeto de condução autónoma da Uber. A empresa é acusada pela Alphabet, de roubo de segredos comerciais à Waymo, a unidade de condução autónoma do grupo.

Isto porque um antigo funcionário da Waymo terá descarregado mais de 14 mil documentos com informação confidencial antes de deixar a empresa e constituir a sua própria companhia a Otto – que depois acabou por ser adquirida pela Uber.

Parte dos dados “roubados” estaria relacionada com um sensor importante para os carros que conduzem sozinhos.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.