Cometer um crime online vai passar a ser tão grave como cometer um crime na vida real. A proposta, feita pelo governo britânico mas lido pela rainha, prevê que “os ciberataques que resultem em perda de vidas, doenças graves ou lesões ou danos sérios para a segurança nacional, ou um risco significativo”, possam ser condenados com prisão perpétua.



De acordo com o The Guardian, a proposta também prevê penas mais pesadas para os piratas informáticos que pratiquem espionagem empresarial – um problema que tem vindo a afetar o desempenho de algumas companhias britânicas.



Para os crackers da ciberespionagem, a pena máxima iria até 14 anos, caso o ataque tivesse um forte impacto na economia, no ambiente ou no seio social. O limite atual é de 10 anos.



Especialistas ouvidos pelo jornal dividem-se quanto à nova proposta. Jim Killock, do grupo dos Direitos Abertos, considera que a legislação já prevê penas para assassinos, seja através do computador ou de outras práticas. Mustafa Al-Bassam, um investigador que já foi condenado por participar em ações dos LulzSec, considera que os casos mais graves só acontecem “em filmes de Hollywood” e que a lei é desajustada.



Uma situação que parece ter ficado por esclarecer é ao nível da investigação de segurança informática. Escreve o diário britânico que à luz das leis atuais, os investigadores informáticos podem estar a cometer crimes quando estão a realizar os estudos.



Um elemento da empresa de segurança Rapid7 explicou que se por exemplo, um investigador tivesse a explorar a falha de segurança Heartbleed para fins académicos, estava sujeito a ser condenado pela lei britânica. “É preocupante que a lei desenhada para proteger as pessoas do cibercrime também penalize as atividades desenhadas para identificar áreas de risco cibernético”, analisou Trey Ford.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.