Desde 2011 que os cientistas conseguem produzir antimatéria e armazená-la por cerca de 16 minutos. Embora a sua duração de vida possa ser relativamente curta, numa escala atómica é suficiente para as suas propriedades serem investigadas ao detalhe. Por norma, a antimatéria é estudada no local, mas o CERN necessita de a enviar para outro laboratório, o ISOLDE, localizado a alguns metros de distância.

CERN: dados partilhados online permitem avanço da teoria para a prática
CERN: dados partilhados online permitem avanço da teoria para a prática
Ver artigo

O plano é utilizar campos magnéticos e elétricos para aprisionar uma nuvem de antiprotões em vácuo num recipiente, segundo o explicado à Nature. Este será depois colocado num camião e transportado para o laboratório vizinho. No ISOLDE é produzido um núcleo atómico radiativo raro, que no entanto se deteriora muito rapidamente para ser movido.

O objetivo do projeto é estudar o comportamento estranho desse núcleo e tentar descobrir o que acontece aos neutrões libertados pela sua radiação. Os cientistas vão fazer experiências de colisão entre o núcleo e os antiprotões e registar os resultados.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.