As preocupações com a Inteligência Artificial (IA), mais propriamente com a evolução desta tecnologia e dos problemas que pode vir a causar, têm sido largamente ampliadas por personalidades como Elon Musk. O robot humanóide Sophia chegou mesmo a garantir, no Web Summit do ano passado, que “não vos vamos fazer mal, mas vamos tirar-vos os empregos”.

Robots podem "roubar" emprego de 800 milhões de pessoas em 13 anos
Robots podem "roubar" emprego de 800 milhões de pessoas em 13 anos
Ver artigo

Ainda que os avanços na IA estejam a dar origem a uma nova geração de chatbots inteligentes, com um quarto da população total do Reino Unido a já ter interagido com um chatbot, percentagem que se espera aumentar para os 50% até 2020, um estudo da consultora Michael Page indica que a previsão é que os robots não vão substituir a força humana.

A investigação Future First, levada a cabo em parceria com os analistas de tendências Foresight Factory, destaca que, embora seja esperado um mundo cada vez mais automatizado e não se deva descartar a importância do contributo da IA em funções básicas e tarefas repetitivas, a inteligência emocional será sempre um factor diferenciador.

“Antecipamos que a interação e a empatia serão competências pessoais altamente diferenciadoras e valorizadas pelos recrutadores”, refere Vasco Teixeira,  diretor de Tecnologias de Informação da Michael Page.

O estudo Future First identifica as principais tendências do mercado de trabalho do futuro de forma a antever o que estas tendências irão brevemente significar para as competências necessárias nas funções em sectores laborais essenciais.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.