A ciber-guerra fria entre os EUA e a China conheceu um novo episódio. Durante o fim de semana um alto funcionário do governo norte-americano admitiu a hipótese de haver restrições ao nível dos vistos de entrada no país para programadores chineses que queiram participar nas conferências de hacking Def Con e Black Hat.



Em causa estará o esforço que os EUA estão a fazer para tentar diminuir a ciberespionagem chinesa em território nacional, depois de recentemente os norte-americanos terem acusado cinco chineses de roubarem informação para vantagem de empresas asiáticas. A China negou as acusações.



Elementos da organização das duas conferências de hacking disseram não ter qualquer conhecimento dos planos do governo mas à Reuters afirmaram que limitar a participação chinesa é uma “má ideia”. Jeff Moss, membro da Def Con e Black Hat, disse no Twitter que a medida não ajuda a construir uma comunidade positivia.






Um outro elemento da organização da conferência Black Hat explicou ainda que a medida terá pouco impacto isto porque todas as palestras são gravadas e depois disponibilizadas em DVD, pelo que o acesso à informação acontecerá de qualquer das formas.



Até agora estava prevista a participação de três chineses como oradores na Black Hat, enquanto a Def Con não tinha nenhum elemento chinês no seu alinhamento de palestras.



Mas as medidas restritivas podem não ser uma estreia. Na semana passada entre 10 a 12 programadores chineses terão tido os vistos de entrada nos EUA barrados, quando iam participar numa conferência de hacking no Colorado.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.