A Sony confirmou que este ano não iria estar presente na E3, a maior feira de videojogos da indústria, por não ter novidades refrescantes que sejam suficientemente importantes para o investimento. É a primeira vez, desde a primeira edição em 1995, que a gigante nipónica está ausente. Nesse sentido, as atenções vão recair noutras editoras ou fabricantes, e como a Nintendo também já não tem uma presença forte, no que diz respeito a conferências, há diversos anos, cabe à Microsoft aproveitar o “espaço” extra para se destacar, e pretende mesmo fazê-lo, nas palavras do vice-presidente executivo para o gaming da empresa, Phil Spencer.

Durante um recente podcast dedicado a diversos temas, incluindo Crackdown 3, um título da Xbox One previsto para o próximo mês, Phil Spencer fez uma atualização do que se passa no “reino do caixote”. Foi confirmado que a Playground Games e a Rare estão a trabalhar em novos projetos, embora não tenha levantado a ponta do véu sobre quais. De salientar que a primeira é a responsável pela série de condução Forza Horizon (havendo rumores de que possa estar a produzir um novo jogo da série Fable) e a segunda produtora histórica tem atualmente em mãos o Sea of Thieves, um título multijogador em que os jogadores assumem o papel de piratas.

Abordado pelo tema da E3 2019, o líder da Xbox referiu que “esta vai ser uma E3 divertida para nós… tivemos uma conversa interna sobre se iríamos com tudo, ou deveríamos poupar algum dinheiro? Não, vamos fazer o nosso trabalho e vamos ser tão grandes na E3, como sempre fomos”. O executivo está bastante confiante sobre o conteúdo que tem na manga para mostrar, sobretudo numa época em que foram adquiridos quase uma dezena de novos estúdios. A empresa tem planos para expandir a marca Xbox a outros dispositivos, como smartphones, e o já utilizado PC com Windows 10, para alcançar um maior público.

Foi também referido, via Windows Central, que o Project xCloud, o serviço de streaming da Microsoft, está ativamente em desenvolvimento. “Uma das coisas que fiz durante as férias do Natal foi jogar jogos na xCloud”, refere Phil Spencer, acrescentando que é necessário terem a certeza de que o serviço está pronto, o que requer ser bem testado. No entanto, acredita que serão necessários vários anos até as pessoas adotarem o sistema, recordando que a Sony revelou planos para expansão do serviço PlayStation Now.

A terminar a conversa, Phil Spencer salientou o apoio do CEO da Microsoft Satya Nadella e a diretora financeira Amy Hood na divisão, referindo que chamou ao serviço Game Pass de “Netflix para jogos”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.