Os dados são da Kaspersky Lab e revelam que as empresas multinacionais foram as maiores vítimas de phishing em 2018, com Portugal a ocupar o segundo lugar no ranking mundial dos países mais atacados por spam e phishing, com uma percentagem de 22,63%. À frente está o Brasil, com 28,28%.

Do top 10 também fazem parte a Austrália, Argélia, Ilha da Reunião, Guatemala, Chile, Espanha, Venezuela e Rússia.

Dentro de uma ampla gama de diferentes sectores, verificou-se que 24% dos ataques foram feitos contra portais web. Microsoft, o Facebook e PayPal foram as empresas que os hackers mais colocaram nos seus emails de phishing.

O relatório mostra que os hackers tentaram usar mais e melhores estratégias para chegar às empresas em 2018, traduzindo-se em 120 milhões de tentativas de ataques através de emails maliciosos. Os hackers imitaram as comunicações comerciais e até se disfarçaram de grandes empresas. Aproveitaram as políticas comerciais a nível mundial, como o RGPD.

A Kaspersky refere que no segundo trimestre de 2018, quando as empresas estavam preocupadas em adotar o RGPD, houve um aumento no número de emails de spam e phishing relacionados com a legislação. Os hackers atacaram organizações financeiras enviando mensagens em que pediam aos seus clientes que atualizassem as credenciais de login. Quando o utilizador clicava no link era redirecionado para uma página falsa de um banco. No momento em que eles introduziam as credenciais, os hackers recebiam o controlo e conseguiram tirar proveito dessa ação.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.