A certificação foi atribuída pela Federal Aviation Administration (FAA) e permite à gigante de logística avançar com o negócio de drones para um modelo mais alargado. Até agora a UPS Flight Forward estava a operar uma rede de drones no campus do hospital de Wakemed, em Raleigh, Carolina do Norte, ainda em modo de teste.

A licença de aviação parcial (Part 135 Standard certification), permite a operação como uma companhia aérea comercial, o que é necessário para alargar a frota de drones e o âmbito geográfico. Mesmo assim, Bala Ganesh, que lidera o Advanced Technology Group da UPS, admite que é ainda um primeiro passo, até porque é ainda necessário uma autorização se o voo do drone se estender para além da linha de vista do operador. E em cada um dos locais a operar é preciso uma legitimação da FAA.

Nova tecnologia de anticolisão garante aprovação para controlo de drones “fora do campo de visão”
Nova tecnologia de anticolisão garante aprovação para controlo de drones “fora do campo de visão”
Ver artigo

Segundo os dados, nos últimos seis meses a UPS manteve mais de 1.000 voos comerciais, movimentando amostras de sangue e produtos farmacêuticos no campus hospitalar, e gerando valor económico, como admite a empresa.

Para esta frota a UPS celebrou uma parceria com a Matternet que fornece os drones autónomos, capazes de carregar cerca de 2,2 quilos ao longo de mais ou menos 20 quilómetros de distância.

A UPS sublinha que o sistema vai ser mais rápido e barato do que o atual sistema de entregas e que há uma vantagem difícil de bater: a inexistência de engarrafamentos. Desta forma, a empresa espera conseguir garantir uma entrega mais consistente e capaz de responder a pedidos urgentes em tempo útil.

Outros hospitais estão já na mira da empresa para replicar o serviço, embora ainda sem partilhar localizações, eliminando a entrega de correio por terra.

As aplicações militares estão entre as utilizações mais avançadas de drones e recentemente a DARPA mostrou a utilização de "enxames" para apoio de operações no terreno, mas também  empresas como a Google e a SEAT estão a aplicar estes equipamentos em várias funções "civis" dentro de fábricas ou transportando equipamentos em situações de emergência.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.