A escassez de competências em cibersegurança traz múltiplos desafios e repercussões para as organizações. Um novo relatório da Fortinet, onde foram inquiridos mais de 1.200 decisores de TI e cibersegurança de 29 países, revela que 80% das organizações admitem que sofreram pelo menos um ataque que poderiam atribuir à falta de competências ou de sensibilização em cibersegurança.

Citando dados de um relatório de 2021 do International Information System Security Certort Consortium, ou (ISC)², os especialistas da Fortinet indicam que o número de profissionais de cibersegurança precisa de aumentar em 65% para defender as organizações de modo eficaz. No entanto, o número de profissionais necessários para preencher a lacuna diminuiu de 3,12 milhões para 2,72 milhões no ano passado.

O relatório Cybersecurity Skills Gap 2022 detalha que 64% das organizações inquiridas sofreram violações de segurança que resultaram em perda de receitas, custos associados à recuperação e/ou multas. Tendo em conta o crescente custo dos ataques nos lucros das organizações, além do impacto nas suas reputações, a cibersegurança é cada vez mais uma prioridade para as administrações.

Ao todo, 88% das organizações afirmam que o seu conselho de administração faz perguntas específicas sobre cibersegurança. Além disso, 76% das organizações têm um conselho de administração que recomenda um aumento no número de especialistas em TI e cibersegurança.

Microsoft prevê que existam 3,5 milhões de vagas em cibersegurança por preencher até 2025
Microsoft prevê que existam 3,5 milhões de vagas em cibersegurança por preencher até 2025
Ver artigo

Os especialistas realçam que as formações e certificações são fundamentais para que as organizações consigam colmatar o “gap” de competências.

Segundo o relatório, 95% dos líderes de TI e cibersegurança acreditam que as certificações têm um impacto positivo no seu papel e na sua equipa, enquanto 81% preferem contratar pessoas com certificações. 91% dos inquiridos partilharam que estão dispostos a pagar a um colaborador para obter certificações em cibersegurança.

Os dados dão a conhecer que 87% das organizações implementaram um programa de formação para aumentar a consciência cibernética, porém, 52% dos líderes acreditam que os seus colaboradores ainda não têm as competências necessárias.

Encontrar as pessoas certas para preencher funções críticas de segurança é um desafio e 60% dos líderes admitem que a sua organização tem dificuldades em matéria de recrutamento e 52% lutam para reter talentos. O recrutamento de mulheres, universitários licenciados e minorias inclui-se entre os desafios de contratação. Por outro lado, 89% das empresas globais afirmam ter objetivos de diversidade como parte da sua estratégia de contratação.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.