Empenhada em proteger os consumidores online em plena pandemia, a Comissão Europeia coordenou uma "triagem" às plataformas online para identificar os sites que promovem alegações falsas sobre a COVID-19 ou produtos fraudulentos. Depois do apelo, Bruxelas garante agora que plataformas como a Google removeram "milhões de anúncios com publicidade enganosa ou listas de produtos suspeitos".

O processo realizado pela Rede de Cooperação em Proteção ao Consumidor (CPC, na sigla em inglês) consistiu em duas fases. Para além da "triagem" às plataformas online, apostou-se também numa "análise aprofundada" de anúncios e sites específicos vinculados a produtos de elevada procura devido ao coronavírus.

Em comunicado, o Comissário da Justiça, Didier Reynders garante que "as principais plataformas online responderam de forma positiva ao apelo da CE para lidarem com fraudes e ofertas enganosas". O representante da CE mostra-se, ainda, satisfeito com o "claro compromisso de remoção de conteúdo nocivo".

Didier Reynders alerta, no entanto, que os "comerciantes desonestos" continuam a encontrar novas formas de explorarem as vulnerabilidades do consumidor, de contornar as verificações dos algortimos e de criarem novos sites. "Em plena pandemia precisa de estar ciente disso enquanto utilizador", afirma, chegando mesmo a dizer que "não existem curas online milagrosas".

Comissão Europeia abre nova investigação às fraudes no comércio online em tempos de pandemia
Comissão Europeia abre nova investigação às fraudes no comércio online em tempos de pandemia
Ver artigo

Na "triagem" participaram autoridades de defesa do consumidor de 27 países e foram submetidas 126 empresas com atividades suspeitas, com as quais a Comissão mantém contactos regulares. Foi dada especial atenção às ofertas relacionadas com máscaras, bem como alimentos, suplementos alimentares e outros produtos que, alegadamente, tinham efeitos curativos relativamente à COVID-19.

Em 38 casos, as autoridades do CPC encontraram várias ofertas ou anúncios duvidosos sobre produtos relacionados com a doença que está a marcar o ano de 2020. Em alguns casos tratavam-se de promessas de cura ou de prevenção da COVID-19 a preços excessivos.

Google e eBay eliminam milhões de anúncios e listas de produtos sobre a COVID-19

A Comissão Europeia considera que, de uma forma global, a investigação mostra que as parcerias entre a CE e as principais plataformas está a "dar frutos". A Google, por exemplo, bloqueou ou removeu mais de 80 milhões de anúncios relacionados com a COVID-19. Já o eBay fez o mesmo com mais de 17 milhões de listas de produtos que violam as regras dos consumidores na União Europeia.

Já a outra fase do processo, envolveu 268 sites. A maior parte deles, 206, foram sinalizados para investigação adicional por "possíveis violações do direito do consumidor na União Europeia".

União Europeia apresenta proposta para novas regras para o comércio eletrónico global
União Europeia apresenta proposta para novas regras para o comércio eletrónico global
Ver artigo

De acordo com a CE, 88 plataformas continham produtos com "alegações de efeitos curativos ou preventivos contra a COVID-19", enquanto em 30 sites foram identificadas "declarações imprecisas sobre escassez de produtos". Já em 24 plataformas registaram-se suspeitas de práticas desleais para obter preços excessivos.

Face a estas conclusões, a Comissão atualizou os conselhos para os consumidores e para as plataformas, de forma a continuarem atentos a estas situações e a enviarem feedback à Comissão. De forma adicional, Bruxelas garante que vai continuar a trabalhar para detetar anúncios fraudulentos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.