A Nintendo admitiu ter sido vítima de um ataque informático há algumas semanas. Segundo a empresa, o ataque foi dirigido ao seu site norte-americano e garantiu acesso a alguma informação da empresa, que acabou por ser publicada na Internet.




Entre a informação roubada dos servidores da Nintendo, não estavam no entanto dados pessoais dos utilizadores da fabricante da Wii, ao contrário do que tem acontecido com os ataques dirigidos à Sony, um alvo central dos hackers nas últimas semanas.




A empresa explica que os dados acedidos pelos atacantes são informação secundária do seu servidor de Internet e assegura que o funcionamento da página web não sofreu qualquer impacto, mantendo sempre o funcionamento normal.




Os ciberataques têm preenchido a actualidade noticiosa na área da tecnologia, com um lugar destacadíssimo para a Sony, que tem sido um alvo preferencial para os atacante mas, como se vê, não é o único.


No que se refere à Sony o ataque mais grave foi aquele que levou ao desligamento da PlayStation Network durante cerca de um mês e meio. O site Sony Pictures, o serviço Qriocity, a Sony Music Entertainment em alguns países ou a Sony Ericsson no Canadá foram igualmente vitimas dos hackers.
O ataque mais recente à concorrente da Nintendo foi o que se dirigiu à Sony Pictures e que garantiu acesso aos dados de cerca de um milhão de utilizadores da fabricante japonesa.




Este ataque foi realizado pelo grupo Lulzsec que também reclama a autoria do ataque à Nintendo, embora admita que neste caso quis apenas dar um alerta à empresa, para que trabalhe na resolução das falhas de segurança que permitem os ataques. A Lulzsec assegura no entanto que não teve intenção de causar danos à Nintendo porque gosta da Nintendo 64.




O mesmo grupo também reclama a autoria de um ataque à InfraGrad, empresa de segurança parceira do FBI, que resultou no acesso a 180 senhas de pessoas ligadas à empresa em Atlanta, entre eles administradores de empresas de comunicação e membros de organizações de segurança vinculados ao exército norte-americano.


O grupo de hackers diz que o ataque à InfraGrad foi uma resposta às intenções manifestadas pela administração Obama, de considerar os cibertaques como actos de guerra, que justificam uma resposta militar.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.