Foi anunciado, pela alemã Fraunhofer Heinrich Hertz Institute, um novo codec de vídeo que promete reduzir para, pelo menos metade, a quantidade de dados utilizados por conteúdo. A tecnologia esteve em desenvolvimento durante vários anos e contou com o know-how de alguns dos maiores nomes da indústria.

Na prática, até o efeito imediato mais comum vai beneficiar um largo grupo de utilizadores, uma vez que este formato vai permitir às pessoas assistir a vídeos com uma resolução superior, mas sem gastarem tantos dados e através de ligações com velocidades inferiores. Isto pode significar que o próximo episódio da sua série preferida já não vai parar a meio para carregar.

Os especialistas escrevem que isto pode ajudar as plataformas de streaming a oferecerem conteúdos em 8K, embora as empresas ainda possam demorar alguns anos a consegui-lo.

Netflix reduz peso da transferência de dados nos smartphones com novo codec AV1
Netflix reduz peso da transferência de dados nos smartphones com novo codec AV1
Ver artigo

Este novo codec é conhecido por H.266, ou Versatile Video Coding (VVC). A instituição alemã confirmou que este formato também é fruto do trabalho da Apple, Microsoft, Qualcomm, Ericsson, Intel e Huawei, que estiveram envolvidas no desenvolvimento da tecnologia.

A organização, sediada em Berlim, espera que, num futuro próximo, os smartphones possam já gravar e reproduzir filmagens neste formato. Contudo, o formato vai obrigar o sector a desenvolver novos chips que comportem esta tecnologia.

Tecnicamente falando, é importante sublinhar que este novo H.266 precisa de apenas metade do bitrate do padrão atual (H.265) para transmitir exatamente o mesmo conteúdo. Para colocarmos isto em termos práticos, podemos indicar que este novo codec precisa de apenas 5GB de dados para transmitir um filme de 90 minutos, em 4K - qualidade que o codec antecessor só conseguiria transmitir com 10GB de dados.

Isto significa, não só, que poderá fazer streaming de conteúdos de resolução superior com ligações mais lentas à internet, como poderá também armazenar os mesmos vídeos em metade do espaço que precisa hoje para o efeito. A realidade virtual também poderá beneficiar com este novo codec, nomeadamente no aumento da resolução dos vídeos transmitidos em 360 graus para os headsets, o que, idealmente, tornará mais realistas, as experiências vividas nestes aparelhos.

Note que apesar de a invenção ser altamente benéfica para a indústria e para os consumidores, a verdade é que nada obriga as tecnológicas a integrá-la nos seus produtos. A Google, por exemplo, usa o VP9 para codificar vídeos para o YouTube, isto por conta das taxas de licenciamento que vêm com a utilização da tecnologia.

Em conversa com a BBC, Ben Wood, da consultora CCS Insight, explica que o verdadeiro desafio dos novos codecs é convencer a indústria a adotá-los. "Para ser bem-sucedido, um codec tem de beneficiar de uma adoção em massa, por parte dos nomes mais importantes da indústria. E decidir suportar um codec pode ser quase uma decisão religiosa", afirma.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.