O território sírio voltou a ter acesso à Internet no sábado à tarde, depois de dois dias em que a ligação à rede foi quase impossível. O blackout que aconteceu no dia 29 de novembro ainda não tem explicação oficial, mas tanto o regime sírio como as forças rebeldes "culpam-se" mutuamente.

A Renesys, uma das empresas que registou o apagão no país do Médio Oriente, relatou durante o dia de sábado que a ligação à Internet foi reestabelecida de maneira quase tão abrupta como desapareceu.

Enquanto os engenheiros de rede do regime sírio não forem ouvidos, a verdade sobre o apagão não vai ser conhecida, considera a Renesys. Mas segundo o site Network World, o grupo Anonymous parece já ter "certezas" sobre quem são os responsáveis pelo apagão.

O grupo de ativistas online declarou "guerra cibernética" ao regime liderado por Bashar al-Assad e prometeu atacar "todos os domínios do atual regime sírio que não estejam hospedados no país". O primeiro alvo está definido e vai ser a página online da embaixada síria na China. Os ataques vão ser de vários estilos, desde deixar os sites offline, a transformações de primeira página e divulgação de dados.

Os Anonymous consideraram que o apagão da Internet "é uma violação massiva dos direitos humanos do povo livre da Síria".


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.