Se recorre ao YouTube para ouvir música como passatempo, seja enquanto estuda ou trabalha, saiba que a plataforma pretende inundar os vídeos do género com publicidade. O objetivo é “incentivar” os utilizadores a subscreverem o novo serviço pago de música e, ao mesmo tempo, responder às críticas da indústria musical quanto ao prejuízo provocado a artistas e editoras pelas constantes violações de direitos de autor e pela falta de pagamentos de royalties.

A estratégia foi delineada por Lyor Cohen, responsável do YouTube pelo serviço de música, numa entrevista dada durante o festival de música South by Southwest, como refere a Bloomberg, tendo em vista os  utilizadores que ouvem temas por longos períodos de tempo. O novo serviço do YouTube pretende competir com o Spotify e a Apple, que lideram os serviços de oferta de música online.

YouTube vai banir vídeos com conteúdos que promovam armas de fogo
YouTube vai banir vídeos com conteúdos que promovam armas de fogo
Ver artigo

O serviço de música do YouTube já está a ser testado pelos funcionários da empresa e pretende oferecer vídeos exclusivos aos assinantes, a possibilidade de criar playlists e a introdução de outras ferramentas úteis para convencer os audiófilos a assinar. Seguindo uma estratégia próxima do Netflix, o YouTube não pretende ser apenas um repositório de videoclips. Vai também financiar a produção de vídeos exclusivos, tais como cenas de bastidores dos artistas. G-Eazy e Camila Cabello foram os primeiros a assinar.

De notar que a indústria musical esteve em declínio na última década, mas o crescimento de serviços de streaming pagos reacenderam as vendas e a Google pretende contribuir para aumentar as receitas dos artistas e editoras.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.