A Electronic Arts e a Nintendo têm protagonizado nas últimas semanas uma cena dramática que pode acabar por prejudicar as duas empresas. Depois de a EA ter afirmado que o novo motor gráfico Frostbite 3 não é compatível com a Wii U, a produtora diz agora que não está a desenvolver qualquer jogo para a mais recente consola da Nintendo.

As declarações ganham ainda mais dimensão depois de a empresa de videojogos ter anunciado durante a Electronic Entertainment Expo 2011 (E3) uma "parceria sem precedentes" com a tecnológica japonesa. Na altura a EA foi apresentada como um parceiro comprometido em fazer chegar à Wii U os melhores jogos produzidos também para outras plataformas.

O TeK já pediu um comentário à Nintendo sobre a situação tensa que tem marcado a relação entre as duas empresas nos últimos dias.

O responsável de comunicação da Electronic Arts, Jeff Brown, em conversa com o Kotaku não descartou no entanto a hipótese de a produtora desenvolver no futuro novos jogos para a consola da Nintendo. A EA é responsável por franquias de sucesso como FIFA, Battlefield, SimCity, Need for Speed, Medal of Honor, Dead Space, Mass Effect e vai ser responsável pelos próximos títulos Star Wars.

A situação acaba por fragilizar as duas partes: a EA abre uma guerra com a Nintendo, pode possivelmente perder uma plataforma de gaming e consequentemente vários milhares de clientes; do lado da Nintendo dá-se a perda de um parceiro considerado estratégico - pelo menos no passado - que enfraquece o ecossistema de jogos da Wii U, consola que não tem vivido uns primeiros meses de vida "dourados".

[caption]FIFA WII U[/caption]

Em contrapartida a Electronic Arts pode focar-se no desenvolvimento de títulos exclusivos para a próxima Xbox e Playstation 4, que têm probabilidades de produzir um novo blockbuster, enquanto nas consolas da Nintendo só os títulos próprios - relacionados com o Super Mario e Zelda - atingem níveis de venda consideráveis.

O Kotaku escreve ainda que quando a EA negou à Dreamcast da Sega os títulos de desporto, foi aí que a também tecnológica japonesa começou a decair perante os gamers.

Nintendo quer lucros em vídeos criados por utilizadores

A tecnológica nipónica está envolvida ainda numa outra situação "sem precedentes" - está a reclamar os direitos sobre os vídeos no Youtube que utilizem conteúdos da marca, como os vídeos passo a passo de jogos como Luigi's Mansion 2.

Segundo o The Verge, a Nintendo defende-se dizendo que esta é uma forma de assegurar a partilha segura e verificada dos conteúdos, enquanto alguns utilizadores manifestaram-se contra o movimento da Nintendo e questionam a verdadeira autoria dos vídeos - que apesar de terem conteúdos da Nintendo, não foram feitos pela empresa.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.