O movimento islamita palestiniano Hamas convidou Elon Musk a visitar Gaza para comprovar a "extensão dos massacres" cometidos por Israel naquele território, depois de o empresário ter visitado um "kibutz" no sul de Israel.

"Estendemos um convite ao senhor Elon Musk, que visitou a ocupação antes, para que agora visite a Faixa de Gaza para ver a extensão dos massaces e crimes cometidos contra o nosso povo, aderindo aos padrões de objetividade", afirmou o líder do Hamas, Osama Hamdan, numa conferência de imprensa no Líbano, citado pela agência EFE.

Elon Musk visita Israel após polémica. Enquanto isso perde anunciantes no X (Twitter)
Elon Musk visita Israel após polémica. Enquanto isso perde anunciantes no X (Twitter)
Ver artigo

Osama Hamdan sugeriu a Elon Musk uma visita ao enclave "longe da polícia de parcialidade e de dois pesos e duas medidas em relação ao problema do povo palestiniano e dos seus direitos legítimos".

Elon Musk visitou na segunda-feira, com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, um dos "kibutz" do sul de Israel atacados a 7 de outubro pelo Hamas. "Devemos desmilitarizar Gaza após a destruição do Hamas" e "desradicalizar" o território palestiniano, disse Benjamin Netanyahu, no final da visita a Kfar Aza.

O ministro das Comunicações, Shlomo Karhi, anunciou um acordo sobre a utilização do serviço de acesso à internet por satélite Starlink, em Israel e na Faixa de Gaza.

Nenhum dos comentários de Netanyahu mencionou as recentes acusações da difusão de discursos antissemitas na rede social X por parte de Musk.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.