Os resultados do ano foram positivos para a Oracle que faturou 39,5 mil milhões de dólares e cresceu 3%, num movimento de crescimento que se refletiu na subida do valor por ação em junho em cerca de 12%. Mas em Portugal os resultados de crescimento foram ainda melhores, como adiantou hoje Bruno Morais, country manager da Oracle Portugal, que lamenta não poder detalhar mais os dados financeiros.

“Em Portugal o crescimento da faturação está acima do registado na Oracle a nível global e muito próximo dos 2 dígitos”, explicou num encontro com jornalistas. O que mais cresce é a área de Cloud, acima dos 50%, quando a nível global são as aplicações de ERP e Recursos Humanos que lideram o crescimento, uma particularidade que é destacada por Bruno Morais.

O empenho que os parceiros da Oracle estão a colocar no desenvolvimento da área de Autonomous Database é destacada pelo country manager da Oracle Portugal, que aponta as várias vantagens que os clientes podem ter nesta opção a nível de flexibilidade e segurança na gestão da informação, explicando que mais de 40% dos projetos estão ligados à área analítica.

30 anos de Oracle em Portugal: O segredo está na consistência (dos dados?)
30 anos de Oracle em Portugal: O segredo está na consistência (dos dados?)
Ver artigo

“Vimos crescer esta área significativamente no último trimestre e estamos convictos que vai continuar a crescer”, justifica.

João Borrego,solution engineer senior manager da Oracle Portugal explica que a nível global há mais de 5 mil novos clientes a experimentar as soluções de Autonomous Database, e em Portugal já há casos de sucesso, como o Oney Bank, que decidiu usar esta tecnologia em Portugal que é diferente da usada na casa mãe.

Este é um exemplo de adopção por parte do negócio, que se torna mais independente do IT nestas aquisições de serviços, e que revela uma tendência à qual a Oracle também se está a adaptar, abordando mais diretamente estas unidades dentro das organizações. "Estamos a procurar ir ao negócio com o IT", acrescenta João Borrego.

A próxima abertura do centro de competências no Porto foi também sublinhada pelo country manager em Portugal, que explica que já está a ser feito o recrutamento e que embora a inauguração oficial esteja marcada para outubro, a operação vai já começar efetivamente este mês. “Ainda antes de abrir já estamos a alargar a área de atuação geográfica […] era para servir só a EMEA e já estamos a ter pedidos da América Latina e mesmo dos EUA”, adiantou aos jornalistas.

Nota da Redação: Foi feita uma correção no 5º parágrafo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.