O espírito de empreendedorismo está bem presente no Web Summit e é quase impossível ficar indiferente à profusão de microempresas em busca de investimento, de formas de fazer um upgrade à sua ideia com novas tecnologias e de visibilidade.

Para Francisco Jerónimo, da IDC, existe um grande entusiasmo em redor dos projetos inovadores. Em conversa com o SAPO TEK, o analista indicou que, embora o Web Summit se tenha tornado maior neste ano, é importante perceber qual é o impacto do evento no desenvolvimento das empresas. Tal como afirmou, é preciso avaliar se as startups estão a conseguir profissionalizar o seu processo de crescimento e não apenas a recolher mais financiamento.

Num universo de mais de 2.000 startups, apenas as bancas mais vistosas e as propostas mais disruptivas e arrojadas conseguem chamar à atenção do público, mas também de possíveis investidores. A competição está ao rubro e aqui vale quase tudo, sendo que há quem recorra a estratégias inusitadas para se destacar, como, por exemplo, oferecer brindes e chocolates a quem passa nas stands ou até mesmo vestir fatiotas chamativas.

O SAPO TEK decidiu investigar algumas das startups que se estendem pelos quatro pavilhões da Feira Internacional de Lisboa.

Clique na galeria para conhecer as startups e descobrir que projetos inovadores propõem.

As microempresas em exibição dividem-se por três categorias diferentes, consoante o seu estado de evolução e rendimento. De acordo com o sistema de organização do Web Summit, as Alpha correspondem às startups que, até ao momento, se encontram numa fase de pre-investimento, não tendo conseguido arrecadar mais de um milhão de dólares em financiamento.

A Alpha portuguesa uCount.gg está pela primeira vez no Web Summit e no seu dia de apresentação a equipa contou ao SAPO TEK que a sua banca está a ter mais adesão do que o esperado. Tal como elucidou o seu CEO, Tiago Lourenço, a startup quer criar uma plataforma online que “permite abranger todos os jogos e todos os tipos de torneio, facilitando a vida aos organizadores” de competições de eSports.

O projeto ainda está numa fase que a empresa considera ser “pre-alpha”, uma vez que o software ainda não está em produção. “Só no início do próximo ano é que vamos tentar levantar financiamento para fazer um «ataque ao mercado». Nesta fase estamos só a dar-nos a conhecer e tentar arranjar parceiros”, indica Tiago Lourenço.

Tanto a ViRSE, dos Estados Unidos, como a Dattico, da Bélgica, também são estreantes na conferência e especializam-se na área da realidade virtual (RV) e aumentada (RA), se bem que de formas diferentes.

Por um lado, a startup americana inspirou-se no conceito de “multiverse” para “desenvolver uma plataforma social de e-commerce através de RV”, indica Genevieve Schettino, Specialist na ViRSE. Por outro, a microempresa belga tem como objetivo é “transformar a forma de visualização de Big Data” e oferecer às empresas uma alternativa aos Data Centers, elucida Thomas Spanhaak da Dattico.

A startup belga participou no programa Alpha do Web Summit: “Nós completamos o nosso produto e estamos agora a apresentá-lo ao público e a tentar conseguir um caso de uso e parcerias, para, no futuro, o implementarmos numa empresa e o adaptarmos às suas necessidades”, acrescenta o Managing Partner da empresa.

Startups Beta: a caminho da expansão global

As microempresas que chegam ao segundo patamar já conseguiram lançar as suas ideias inovadoras e, na sua busca por investidores que as ajudem a crescer, costumam ser “repetentes” no Web Summit, à semelhança da 20tree.ai, fundada por empreendedores holandeses em Portugal. Segundo Anniek Schouten, co-fundadora e business developer, a empresa esteve não só na edição de 2018, como Alpha, mas também na de 2017 como projeto.

A 20tree.ai tem em vista a proteção das florestas e dos recursos naturais num planeta sob a pressão das alterações climáticas. A empresa transforma dados obtidos através de satélites através de algoritmos e machine learning em informação acerca do «estado de saúde» dos ecossistemas naturais e até de ameaças podem pôr em risco a biodiversidade. “Queremos ajudar as empresas a fazer decisões mais sustentáveis pelo bem do ambiente”, afirma Anniek Schouten.

Diretamente da Rússia para o Web Summit pela primeira vez, a idChess é uma startup na área das soluções em inteligência artificial e machine learing. Tal como contou o seu CEO, Peter Chernyshev, ao SAPO TEK, a empresa desenvolveu uma plataforma direcionada para entusiastas de xadrez que querem ser o próximo Garry Kasparov. A aplicação analisa as jogadas do utilizador para o ajudar a tornar-se mais eficiente. “Nós temos já um produto com mais de 1.000 utilizadores, assim como um «mapa» para o nosso futuro”, acrescenta.

O Web Summit é também uma oportunidade para startups Beta participarem em programas de investimento à semelhança do Starter Acceleration Program da EDP. Na primeira edição da iniciativa direcionada para projetos inovadores no setor da energia, a australiana Lexx sagrou-se como a vencedora, tendo sido premiada com 50 mil euros, avança a EDP em comunicado à imprensa. A empresa especializada inicialmente na área da aeronáutica desenvolve software que ajuda os técnicos de manutenção no desempenho das suas funções e a manter-se  informados acerca dos equipamentos com os quais trabalham.

Para chegar ao topo é preciso crescer ainda mais

Na categorização das startups, o patamar superior é composto pelas empresas no nível Growth, as quais já iniciaram o seu processo de expansão global, conseguindo, em muitos dos casos, arrecadar valores acima dos três milhões de dólares.

A startup brasileira desenvolve software de gestão para pequenas e médias empresas, disponibilizando, segundo Marcelo Lombardo “tudo aquilo de que um empreendedor precisa” para pôr o seu negócio em andamento. Mas não é tudo: recentemente, a Omie expandiu a sua atuação para o mundo das fintech, passando a incluir serviços financeiros com o lançamento da Omie.Cash, uma conta bancária digital dentro do seu software.

Em seis anos de existência, a empresa brasileira conseguiu passar de apenas sete colaboradores para 700, afirma o CEO . “Já fizemos série A com um fundo de venturing capital brasileiro, também a série B com um fundo de primeira-linha americano. Estamos num ritmo de crescimento gigantesco na construção de uma empresa de múltiplos milhões de dólares”, indicou o responsável ao SAPO TEK.

Para garantir apoios de um investidor um projeto inovador não necessita de uma “fórmula mágica”
Para garantir apoios de um investidor um projeto inovador não necessita de uma “fórmula mágica”
Ver artigo

Caso tenha um projeto inovador em fase inicial e quiser pô-lo a "render" para chegar ao topo, mas não conseguiu participar no Web Summit deste ano, pode já candidatar-se à edição de 2020 do programa de startups Alpha. Se já está a planear apresentar a sua ideia a um investidor, não se esqueça: não precisa de uma “fórmula mágica” para garantir apoio.

O Web Summit visto pelo SAPO TEK

O SAPO TEK está a acompanhar o Web Summit e para além das notícias de antecipação, nos próximos dias vai trazer os temas e as tendências mais relevantes. Encontramo-nos pelo Web Summit ou Night Summit?
Veja ainda a galeria de imagens que vamos recolhendo no nosso Diário do Web Summit.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.