A empresa portuguesa vai ficar responsável pelo Sistema de Gestão Financeira que permitirá controlar em tempo real todas as funções críticas dos seis edifícios que formam atualmente o complexo.

Incluem-se nessas funções a monitorização dos consumos energéticos, da temperatura ambiente, qualidade do ar, funcionalidade dos equipamentos como elevadores, escadas rolantes, ar condicionado, entre outros.

O projeto avaliado em 840 mil euros entra para o conjunto de serviços que a Microprocessador já desenvolveu no mercado angolano nesta área, como o SGT do Centro Recreativo e da Clínica Sonangol e o SGT da Torre Total.

A empresa mantém também projetos na área da energia tendo como referências os Sistemas de Gestão das Centrais de Geração de Energia Elétrica de Benfica e Quartéis de Luanda.

No total estes projetos já renderam à tecnológica portuguesa mais de 2,4 milhões de euros.

A par de Angola, a Microprocessador marca presença em mercados como Espanha, Bélgica, Polónia, Grécia e Angola. A Índia e o Brasil são os próximos targets na estratégia de internacionalização da Microprocessador.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.