A Glintt e a Baxter foram condenadas ao pagamento de 400 mil euros por concertação de preços. A sentença é do Tribunal de Comércio de Lisboa e confirma uma decisão anterior da Autoridade da Concorrência.



O regulador já tinha dado como provada a celebração e execução de um acordo de fixação de preços de venda anticoncorrencial fixado entre as duas empresas, uma ação que configura uma contraordenação, à luz da Lei nº 18/2003 de 11 de Junho.



Como explica uma nota publicada no site da Autoridade da Concorrência, o tribunal só não deu como provado que a conduta das arguidas tenha afetado o comércio intracomunitário.



Nas penas aplicadas pelo tribunal, a Glintt ficou condenada ao pagamento de 300 mil euros e a Baxter ao pagamento de 100 mil euros. De acordo com a edição de hoje do Jornal de Negócios, a empresa liderada por Manuel Mira Godinho está a preparar um recurso à decisão judicial para o Tribunal da Relação, enquanto a Baxter está ainda a analisar a decisão do tribunal.



Ainda segundo o diário, o processo em questão teve início em 2006 e tem por base um contrato fixado entre as duas acusadas para a venda de máquinas de dispensa automática de medicamentos em unidose. Partiu de uma denúncia do Hospital Padre Américo.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.