O Twitter anunciou esta quinta-feira o crescimento financeiro menos acentuado da empresa desde que abriu o seu capital ao investimento público em 2013.

Com a publicação dos resultados referentes a outubro, novembro e dezembro do último ano, a rede social mostra que as suas receitas aumentaram apenas 1%, falhando a meta estimada pelos analistas, e afundando, em consequência, o valor das ações da empresa em 10% para 16,81 dólares.

Com uma faturação na ordem dos 712,2 milhões de dólares, aquém dos 740 milhões previstos, o Twitter sofreu sobretudo com a redução das receitas provenientes da publicidade. Citado pela Reuters, o analista Michael Pachter, da Wedbush Securities, justifica este valor com uma migração exponencial para o Facebook onde as receitas aumentaram cerca de 3 mil milhões de dólares face a 2015.

"Eles vão ter de convencer os anunciantes que vão conseguir chegar a uma audiência em expansão ou, caso contrário, terão muitas dificuldades em competir pelo dinheiro [que está a ser gasto em publicidade]".

Apesar da desconfiança dos investidores, o CEO, Jack Dorsey, revelou-se otimista quanto ao crescimento da base de utilizadores ativos. Em comunicado, o Twitter escreve que a média de utilizadores ativos por mês cresceu em cerca de quatro pontos percentuais, para os 319 milhões, um valor que, ainda assim, fica abaixo das previsões em 600 mil utilizadores.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.