Em declarações no subcomité de ambiente no Senado norte americano, Neil Jacobs, responsável pela National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA),  avisou que a atribuição de novas gamas de espectro pode causar interferências nos sistemas que atualmente são usados para prever mudanças do clima, e reduzir a fiabilidade das previsões em 30%, fazendo recuar a capacidade da agência aos anos 80.

Esta mudança pode reduzir o tempo disponível para a preparação para incidentes como furacões e levar a pevisões incorrectas sobre p percurso de tempestades quando se aproximam da costa, afirmou, sublinhado a sua importância, escreve a Wired.

MWC19: As redes 5G estão (mesmo) quase a chegar. Pelo menos nos Estados Unidos…
MWC19: As redes 5G estão (mesmo) quase a chegar. Pelo menos nos Estados Unidos…
Ver artigo

Apesar das objeções da NOAA, da NASA e da associação americana de meteorologia, a FCC está a reservar a frequência de 24 gigahertz para os operadores móveis poderem usar nas redes 5G. Os leilões começaram em abril mas estão previstas novas fases de concurso para operadores que pretendam usar esta banda do espectro. Até agora a FCC já arrecadou 2 mil milhões de dólares nestes leilões.

Perante os avisos dos cientistas, dois senadores já pediram esta semana que a FCC peça às empresas que parem de usar esta frequência, e que adie novos leilões até se encontrar uma solução.

Os cientistas que estudam o clima dizem que não há possibilidade dos sistema meteorológicos dispensarem o uso desta frequência, ao contrário dos operadores que podem recorrer a outras faixas, como acontece noutros países. Um investigador da Universidade do Wisconsin diz que o vapor de água emite um sinal fraco para a atmosfera na frequência dos 23,8 Ghz, muito próximo do que está a ser libertado para o 5G. Os satélites como o GOES-R da NOAA e o europeu MetOP monitorizam esta frequência para recolher dados que são essenciais para os modelos de previsão que avisam sobre tempestades.

O objetivo da NOAA e da NASA é limitar as interferências com estes sistemas até um nível considerado aceitável pela União Europeia e a organização meteorológica mundial.

Ainda há esperança de se conseguir chegar a um compromisso, e uma "solução elegante", mas há outros leilões de frequências que podem interferir nas bandas de rádio usadas para deteção de chuva e neve (36–37 GHz), temperatuda atmosférica (50,2–50,4 GHz), nuvens e gelo (80–90 GHz).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.