No âmbito das análises regulares, a Anacom divulgou ontem o relatório sobre a neutralidade da Internet, onde faz o balanço das ações entre maio de 2018 e abril de 2019, mostrando que os operadores corrigiram ofertas de zero-rating e similares mas que continua a haver falhas.

Segundo o regulador das telecomunicações, "os operadores corrigiram as ofertas, dando cumprimento à determinação da ANACOM em matéria de neutralidade da rede e de roaming internacional", mas mesmo assim foram identificadas "algumas deficiências", nomeadamente "em matéria de transparência na garantia do acesso à Internet aberta, tanto nos contratos como nos sítios na Internet dos operadores com maior presença no mercado, designadamente envolvendo a informação disponibilizada sobre as velocidades de acesso à Internet", refere em comunicado.

Anacom "avisa" operadoras em Portugal que não respeitam neutralidade da internet
Anacom "avisa" operadoras em Portugal que não respeitam neutralidade da internet
Ver artigo

Os operadores já foram alertados para estas falhas e foi solicitado um calendário para a implementação das correções, sendo que a Anacom adianta que, da informação entretanto, se conclui que "alguns prestadores já iniciaram ou vão iniciar em breve um conjunto de ações, a implementar até ao final de agosto deste ano, para corrigir as situações identificadas".

A relevância e diversidade das ofertas de zero-rating e similares - que prevêm a não contabilização dos dados consumidos no acesso a alguns serviços e aplicações mas que se tornam desiquilibrados também por disponibilizarem volumes de dados reduzidos nos plafonds gerais - são uma das preocupações da Anacom.

A reguladora quer que os operadores ofereçam aos clientes um maior plafond de dados que assegure a livre escolha de conteúdos, aplicações e serviços de internet. "Sublinha-se a importância de que os operadores apliquem as recomendações feitas pela ANACOM, para que nas suas ofertas de acesso móvel à Internet procedam a um aumento dos plafonds gerais de dados de modo a aproximá-los dos volumes de tráfego dos plafonds específicos, para melhor assegurar a livre escolha dos utilizadores relativamente a conteúdos, aplicações e serviços disponíveis através do acesso à Internet", refere a Anacom.

Portugal usado como exemplo de não neutralidade da internet pelos EUA
Portugal usado como exemplo de não neutralidade da internet pelos EUA
Ver artigo

É sublinhada ainda a recomendação aos prestadores para que publiquem as condições específicas impostas às entidades potencialmente interessadas para inclusão das respetivas aplicações/conteúdos nas ofertas de zero-rating e similares, incluindo o prazo de resposta a essas solicitações. Desta forma pretende-se que os benefícios da Internet aberta possam abranger também o lado da oferta, dando oportunidade a que novos produtos e plataformas digitais se possam desenvolver num ambiente de inovação diversificada, aberta e livre.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.