O acesso à Internet continua a acelerar a nível mundial, afirma União Internacional das Telecomunicações no mais recente relatório sobre a banda larga, que dá conta de um decréscimo de 52% no preço das ligações de Internet fixas entre 2008 e 2010.

Se olharmos à análise combinada dos preços médios de serviços de telefone e Internet, fixos e móveis, a diminuição de preços, nas 165 economias consideradas, situa-se nos 18% para o mesmo período.

De acordo com a ITU, embora os preços tenham caído de forma generalizada nos últimos anos, continuam a existir "enormes diferenças entre países no que respeita à velocidade e qualidade da banda larga".

Os responsáveis pelo estudo continuam a identificar também uma disparidade entre as velocidades contratadas e aquelas de que, efetivamente, os consumidores desfrutam. Voltam, por isso, a incentivar os reguladores nacionais a fazerem com que os operadores prestem informação clara no que respeita a cobertura, velocidade e preços dos serviços que oferecem.

As conclusões divulgadas hoje mostram que a queda dos preços, tanto nos acessos a partir de telemóveis como dos serviços de Internet de banda larga, está a acelerar a expansão a nível mundial das tecnologias de informação e comunicação (TIC).

O relatório intitulado Measuring the Information Society 2011 coloca a Coreia do Sul no topo da tabela dos países mais desenvolvidos no acesso às TIC, seguida pela Suécia, Islândia, Dinamarca e Finlândia, num ranking composto por 152 países. No top estão essencialmente os europeus e asiáticos.

Neste cenário de evolução têm especial importância as tecnologias móveis, realça a organização, destacando o crescimento das redes móveis nos países em desenvolvimento, onde o número de subscritores cresceu 20% no último ano e não se vislumbram sinais de desaceleração.

"O milagre da mobilidade coloca as TIC ao alcance mesmo das pessoas e comunidades mais desfavorecidas. O desafio agora é transpor esse sucesso para a banda larga", afirma o secretário-geral da ITU, Hamadoun Touré.

Nos países desenvolvidos a taxa de penetração das redes móveis os 100%, no final de 2010, enquanto nas economias em desenvolvimento se encontrava nos 70%. Globalmente, o número de subscritores destes serviços é de mais de 5 mil milhões, chegando a 90% da população, o que leva a ITU a afirmar que esta tecnologia atingiu é agora, efetivamente, "ubíqua".

O forte crescimento verifica-se também ao nível dos serviços de banda larga móvel (3G). Pelas contas da organização, no final de 2010, 154 países contavam com redes 3G.

Escrito ao abrigo do Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.